Mercado financeiro reduz otimismo com Ibovespa

mercado vai olhar com cuidado as mensagens dos comunicados das decisões do Copom e do banco central americano na próxima semana

O Estado de S.Paulo

17 Março 2018 | 01h00

O mercado financeiro reduziu o otimismo em relação ao desempenho do Ibovespa, mostra o Termômetro Broadcast Bolsa, que tem por objetivo captar o sentimento de operadores, analistas e gestores para o comportamento do índice na semana seguinte.

A percepção de alta para as ações na próxima semana vem caindo nas últimas edições da pesquisa, ao mesmo tempo em que a expectativa de estabilidade vem aumentando. Entre 32 participantes, para 46,88% a expectativa é de alta; para 34,38%, de estabilidade; e para 18,75%, de queda. O levantamento refere-se aos dias 19 a 23 de março.

Na semana passada, 59,38% viam ganhos para o Ibovespa; 21,88%, estabilidade; e 18,75%, baixa. Nesta semana, a Bolsa acumulou perdas de 1,72%.

A próxima semana traz decisões na política monetária aqui, nos Estados Unidos e no Reino Unido. Enquanto o Comitê de Política Monetária (Copom) deve reduzir a Selic e encerrar o ciclo de distensão da taxa básica de juros iniciado em 2016, segundo o consenso do mercado, o Federal Reserve (banco central americano), ao contrário, deve elevar a taxa. A aposta majoritária é de queda da Selic, de 6,75% para 6,50%, e para os juros norte-americanos, de avanço da faixa entre 1,25% e 1,50% para 1,50% a 1,75%.

O mercado vai olhar com cuidado as mensagens dos comunicados das decisões. No Brasil, os economistas querem saber se o Copom deixará espaço para possível novo corte da taxa básica em maio. Já nos Estados Unidos o foco tende a ser “a evolução das projeções de taxa de juros dos membros do colegiado”, hoje em três elevações para 2018, destaca o Bradesco.

Na agenda, o destaque será a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo -15 (IPCA-15) de março. Na Bolsa, haverá vencimento de opções sobre ações.

Mais conteúdo sobre:
juros Banco Central do Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.