Mercado financeiro reduz projeção de crescimento pela 7ª vez seguida

Segundo pesquisa Focus, do Banco Central, analistas acreditam que o PIB irá crescer 2,18% em 2012; estimativa de inflação para do ano fica abaixo de 5% pela primeira vez desde março de 2011

Eduardo Cucolo, da Agência Estado,

25 de junho de 2012 | 09h08

O mercado financeiro reduziu pela sétima semana consecutiva a previsão de crescimento da economia brasileira em 2012, que caiu de 2,30% para 2,18%, de acordo com a pesquisa Focus, divulgada nesta segunda-feira pelo Banco Central. Há quatro semanas, a projeção estava em 2,99%.

Para 2013, a previsão de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) recuou pela terceira semana e passou de 4,25% para 4,20%. Há quatro semanas, estava em 4,50%.


Um dos fatores que puxam para baixo a expectativa de desempenho do PIB é o fraco crescimento do setor industrial. A projeção para a expansão do setor em 2012 caiu de 0,63% para 0,50%. Há quatro semanas, estava em 1,58%.

Para 2013, economistas preveem ritmo maior, com avanço industrial de 4,20%, projeção que subiu em relação aos 4% estimados na semana passada. Um mês antes, no entanto, a pesquisa apontava estimativa de expansão de 4,25% no próximo ano.

Analistas ainda mantiveram a previsão para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB em 2012, em 35,70%. Para 2013, a projeção caiu de 34,25% para 34,00%. Há quatro semanas, as projeções estavam em, respectivamente, 35,83% e 34,50% do PIB para cada um dos dois anos.

O piso para o crescimento da economia projetado na pesquisa Focus recuou de 1,72% para 1,60%. O número está próximo do 1,5% projetado na semana passada pelo Credit Suisse, previsão que foi classificada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, como "uma piada". O teto para o crescimento neste ano continua sendo de 3,5%, segundo a pesquisa. Para 2013 e 2014, as estimativas ficam no intervalo entre 3% e 5,5%.

Inflação e juro

O mercado financeiro reduziu a projeção de inflação medida pelo IPCA para 2012 e para 2013. Para 2012, a mediana das estimativas recuou pela sexta semana seguida e passou de 5,00% para 4,95%. É a primeira vez desde a pesquisa realizada em 25 de março de 2011 que a projeção para a inflação oficial no País fica abaixo de 5% para 2012. Há quatro semanas, a estimativa do mercado estava em 5,17%.

Já para 2013, a projeção recuou pela segunda semana consecutiva, de 5,54% para 5,50%. Há um mês, estava em 5,60%.

A projeção de alta da inflação para os próximos 12 meses também caiu pela segunda semana consecutiva, passando de 5,49% para 5,48%, conforme a projeção suavizada para o IPCA. Há quatro semanas, estava em 5,52%.

Nas estimativas do grupo dos analistas consultados que mais acertam as projeções, o chamado Top 5 da pesquisa Focus, a previsão para o IPCA no cenário de médio prazo se manteve em 5,02% para 2012 e em 5,50% para 2013. Há um mês, o grupo apostava em alta de 5,18% e 5,80% para cada ano, respectivamente.

Na pesquisa Focus, a mediana das estimativas para o patamar da taxa Selic ao final de 2012 seguiu em 7,5%, abaixo da taxa atual de 8,50%. A expectativa dos analistas continua sendo de corte na reunião de julho de 0,50 ponto porcentual, para 8%.

A taxa voltaria a subir em abril de 2013, para encerrar o ano que vem em 9%, projeção que foi mantida pela segunda semana. Quatro pesquisas antes, analistas projetavam taxas de 8% e 9,5% para o fim de cada ano, respectivamente.

Câmbio

A taxa de câmbio para o fim de 2012 se mantém abaixo de R$ 2,00 nas estimativas dos analistas consultados na pesquisa Focus realizada pelo Banco Central. A mediana das projeções para o preço da moeda estrangeira no fim deste ano permaneceu em R$ 1,95, de acordo com a pesquisa divulgada hoje. Para o fim de 2013, ficou em R$ 1,90. Há um mês, analistas previam dólar a R$ 1,90 no fim de 2012 e a R$ 1,85 no fim de 2013.

Para o fim de junho, a estimativa subiu de R$ 2,03 para R$ 2,04. Para o fim de julho, ficou em R$ 2,00 pela segunda semana seguida.

Tudo o que sabemos sobre:
SelicjuroinflaçãoFocusPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.