Mercado reduz projeção de crescimento em 2014 e aumenta a de inflação

Segundo a pesquisa Focus, do Banco Central, PIB de 2014 será de 1,69% e IPCA de 6,30%

Victor Martins, Agência Estado

31 de março de 2014 | 09h17

A previsão de crescimento da economia brasileira em 2014 recuou de 1,70% para 1,69% na pesquisa Focus, do Banco Central. Para 2015, a estimativa de expansão se manteve em 2,00%. Há quatro semanas, as projeções eram, respectivamente, de 1,70% e 2%. Além disso, foi revisada a projeção para a inflação, de 6,28% para 6,30%, se aproximando cada vez mais do teto da meta estabelecidade pelo governo, de 6,50%.

No caso do PIB, a projeção para o crescimento do setor industrial em 2014 caiu de 1,41% para 1,38%. Para 2015, economistas mantiveram a previsão de avanço industrial em 3,00%.

Há quatro semanas, a estimativa para o IPCA em 2014 estava em 6%. Para 2015, a projeção segue em 5,80%, segundo a expectativa do mercado. A previsão de inflação para os próximos 12 meses à frente recuou de 6,20% para 6,14%.

Dívida. Os analistas revisaram a previsão para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB em 2014 de 34,75% para 34,70%. Há quatro semanas, estava em 34,70%. Para 2015, segue em 35,00% há 15 semanas.

O mercado financeiro manteve estável a previsão para o déficit em transações correntes em 2014. A mediana das expectativas de saldo negativo na conta corrente este ano segue em US$ 75,00 bilhões. Para 2015, a previsão de déficit nas contas externas passou de US$ 73,50 bilhões para US$ 75,30 bilhões. Há quatro semanas, o déficit estava em US$ 75 bilhões para 2014 e em US$ 67,90 bilhões para 2015.

Na mesma pesquisa, economistas reduziram a estimativa de superávit comercial em 2014 de US$ 4,71 bilhões para US$ 4,25 bilhões. Quatro semanas antes, estava em US$ 7 bilhões. Para 2015, a projeção se manteve em US$ 10,00 bilhões, mesmo valor de quatro semanas atrás. A pesquisa mostrou ainda que as estimativas para o ingresso de Investimento Estrangeiro Direto (IED), aquele voltado ao setor produtivo, subiu de US$ 55,40 bilhões para US$ 59 bilhões em 2014. Para 2015, ficou estável em US$ 55 bilhões, mesmo valor registrado há quatro semanas.

Juro. Os economistas consultados pelo Banco Central mantiveram a previsão para a taxa Selic no fim de 2014 de 11,25% ao ano. Para 2015, a mediana segue em 12,00% ao ano há sete semanas. A taxa básica de juros está em 10,75% ao ano desde a última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que ocorreu em fevereiro. A próxima reunião do Copom está marcada para esta semana, para terça e quarta-feira.

A previsão para a Selic média em 2014 passou de 10,94% ao ano para 11,06%. Para 2015, de 11,83% para 11,96%. A pesquisa Focus mostra que a projeção do mercado para a taxa Selic segue em 11% ao ano para o mês de abril. Para janeiro de 2015, o mercado prevê alta da taxa básica de juros para 11,50% ao ano, e para 11,75% no mês seguinte. Em março do próximo ano, a previsão de alta continua em 12% ao ano.

Tudo o que sabemos sobre:
BCFocusPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.