Mercados mostram ceticismo sobre fundo de resgate europeu

Segundo o presidente dos ministros das Finanças da zona do euro, Jean-Claude Juncker, muitas opções foram discutidas, mas nenhuma foi escolhida

Reuters,

18 de janeiro de 2011 | 07h14

Os investidores mostravam um ceticismo cada vez maior nesta terça-feira sobre a capacidade dos ministros das Finanças da zona do euro em acertar um fundo de resgate, que é parte das medidas para resolver a crise de dívida soberana da região.

Os ministros não deram indícios de uma decisão final na segunda-feira, 17. O presidente dos ministros das Finanças da zona do euro, Jean-Claude Juncker, disse que muitas opções foram discutidas, mas que nenhuma foi escolhida.

A Alemanha, maior economia da Europa e fundamental para qualquer acordo sobre mudanças, indicou que não tem pressa para agir, especialmente porque os mercados de bônus estão mais calmos após leilões bem-sucedidos de Portugal e Espanha.

O Instrumento Europeu de Estabilidade Financeira foi estabelecido em maio de 2010 para emprestar dinheiro do mercado com garantias de governos da zona do euro de até € 440 bilhões. Mas, como quer ter nota de crédito "AAA", a quantia real que o fundo pode emprestar a países é de cerca de € 250 bilhões.

(Por Sarah Marsh e Daniel Flynn)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.