Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Mercosul assina acordo de livre comércio com a Palestina

Depois de reconhecer o Estado palestino, o governo brasileiro impulsionou o acordo com o objetivo de mostrar um equilíbrio naquela região

Marina Guimarães, enviada especial da Agência Estado,

19 de dezembro de 2011 | 09h32

O Mercosul vai assinar um acordo comercial com a Palestina durante a reunião do bloco regional que começa hoje (19) em Montevidéu com os ministros de Relações Exteriores e Economia no Conselho do Mercado Comum (CMC) e termina amanhã com a Cúpula de Presidentes. Depois de reconhecer o Estado palestino, o governo brasileiro impulsionou o acordo com o objetivo de mostrar um equilíbrio naquela região, já que o bloco tem um tratado de livre comércio com Israel desde 2010.

O acordo será assinado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros da Palestina, Riadi Malki, que participará da cúpula como convidado especial. Na ocasião, os chanceleres deverão assinar também o Protocolo de Montevidéu sobre Compromisso com a Democracia, com objetivo de atualizar outro documento sobre o assunto, o Protocolo de Ushuaia, assinado em 1998. Segundo o Itamaraty, o novo documento "conterá mecanismos adicionais de intermediação e de sanção para os casos de ruptura ou de ameaça de ruptura da ordem democrática". Nos documentos finais, constará que o Mercosul vai declarar o ano de 2012 como o "Ano da Erradicação da Pobreza Extrema e da Fome no Mercosul".

Os ministros e presidentes também devem analisar o pedido do presidente do Equador, Rafael Correa, de tornar-se membro pleno do bloco regional, do qual participa como associado, sem direito a voto. Os presidentes começam a desembarcar nesta noite na capital uruguaia, onde participarão de jantar oferecido pelo uruguaio José "Pepe" Mujica, presidente pro tempore do Mercosul. 

Tudo o que sabemos sobre:
MercosulPalestina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.