Merkel comemora acordo bancário na UE

Segudno a chanceler alemã, as principais exigências da Alemanha foram atendidas no acordo

Reuters,

13 de dezembro de 2012 | 07h41

BERLIM - A chanceler alemã Angela Merkel comemorou nesta quinta-feira, 13, um acordo alcançado por ministros das Finanças da União Europeia para dar ao Banco Central Europeu (BCE) novos poderes para supervisionar bancos da zona do euro e disse que as principais exigências da Alemanha foram atendidas.

Os 27 ministros concordaram nesta quinta-feira em dar ao BCE a autoridade de policiar diretamente ao menos 150 dos maiores bancos da zona do euro e intervir em bancos menores no primeiro sinal de problema.

"A importância do acordo alcançado esta noite sobre as bases legais e principais aspectos de um mecanismo de supervisão para bancos não pode ser estimado... Nós tivemos sucesso em garantir as principais exigências da Alemanha", disse Merkel à câmara baixa do Parlamento, a Bundestag. "Teremos uma separação clara da responsabilidade para política monetária e da supervisão bancária".

A Alemanha estava preocupada com um potencial conflito de interesses entre os papéis do BCE como supervisor e guardião da política monetária. O acordo determina um painel de mediação para resolver disputas com supervisores nacionais.

Berlim também queria manter a supervisão de seus muitos pequenos bancos de poupança e cooperativas, cuja maior parte não ficará sob supervisão direta do BCE segundo o novo acordo, a menos que tenham problemas.

Merkel, que viaja a Bruxelas ainda nesta quinta-feira para uma cúpula de líderes da UE, afirmou que vê boas chances de implementar uma nova taxa sobre transações financeiras envolvendo 11 países membros da zona do euro.

A líder alemã também elogiou os esforços de reforma do governo grego e afirmou esperar que os ministros das Finanças da zona do euro aprovem nesta quinta-feira o pagamento de novos empréstimos ao país.

(Reportagem de Sarah Marsh, Gareth Jones e Madeline Chambers)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROMERKELACORDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.