Merkel e Hollande prometem dialogar sobre fusão EADS-BAE

França e Alemanha prometeram neste sábado dialogar atentamente a respeito dos planos de fusão entre a controladora da Airbus, a EADS, e a britânica BAE Systems que resultariam num novo gigante aeroespacial e de defesa, mas não anunciaram nenhuma decisão conjunta sobre o projeto de 45 bilhões de dólares.

ALEXANDRA HUDSON E ELIZABETH PINEAU, Reuters

22 de setembro de 2012 | 14h28

A fusão criaria a maior companhia integrada aeroespacial e de defesa, com vendas combinadas anuais de 93 bilhões de dólares, mas envolve preocupações relativas a economia e segurança nacionais.

"Não chegamos a nenhuma decisão (...) e não era esperado que chegássemos, mas a Alemanha e a França manterão contato próximo a respeito dessa questão", disse a chanceler alemã, Angela Merkel, após reunir-se com o presidente francês, François Hollande.

"Concordamos em investigar questões necessárias de maneira intensa, com o cuidado necessário, e de acordo com as companhias envolvidas", adicionou.

Excetuando-se a possibilidade de uma extensão, a EADS e a BAE têm até 10 de outubro, sob as regulações de aquisição do Reino Unido, para estabelecer planos detalhados para a fusão. Merkel disse que os dois líderes estavam cientes dos prazos.

Ao ser questionado a respeito das condições impostas pelos dois governos para que a operação seja efetuada, Hollande disse: "Você consegue imaginá-las. (...) Envolvem emprego, estratégia industrial, atividades de defesa, os interesses de nossas respectivas nações".

Tudo o que sabemos sobre:
AEREASEADSBAEMERKELHOLLANDE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.