Mesmo com renda estável, gastos pessoais nos EUA têm leve alta de 0,3% em fevereiro

Gastos vieram em linha com a expectativa, mas economistas esperavam alta de 0,1% da renda pessoal

Cynthia Decloedt e Danielle Chaves, da Agência Estado,

29 de março de 2010 | 09h38

A renda pessoal dos consumidores norte-americanos ficou estável em fevereiro, em relação a janeiro, segundo o Departamento do Comércio dos EUA. Os gastos pessoais, na mesma base de comparação, subiram 0,3%, em linha com a expectativa dos economistas. Para a renda pessoal, porém, a estimativa era de avanço de 0,1%.

 

Os dados de janeiro foram revisados. No primeiro mês do ano a renda pessoal cresceu 0,3% em comparação com dezembro e os gastos pessoais subiram 0,4%. Originalmente, o Departamento do Comércio havia informado aumentos de 0,1% e 0,5%, respectivamente.

 

A taxa de poupança se desacelerou para 3,1% em fevereiro, a menor desde outubro de 2008. A taxa estava em 3,4% em janeiro e em 4,0% em dezembro.

 

Índice PCE

 

O índice de preços para gastos com consumo pessoal (PCE) ficou inalterado em fevereiro em relação a janeiro e subiu 1,8% na comparação com fevereiro do ano passado. Excluindo os preços voláteis de energia e alimentos, o núcleo do PCE também ficou inalterado em fevereiro ante janeiro, abaixo da previsão dos economistas de alta de 0,1%. Em comparação a fevereiro do ano passado, o núcleo do PCE subiu 1,3%. Em janeiro, a variação anual do núcleo do PCE foi uma alta de 1,5%.

 

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
PCErenda pessoalgasto pessoalconsumo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.