Divulgação
Divulgação

Metalúrgicos da Embraer entram em greve em protesto por reajuste salarial

Trabalhadores pedem um reajuste de 10%, mas empresa oferece aumento de 6,6%; a greve de 24 horas, mas que pode ser estendida, ocorre no mesmo dia em que a Embraer apresenta o KC-390, o maior avião já desenvolvido pela companhia

Agência Estado e Reuters, O Estado de S. Paulo

21 de outubro de 2014 | 09h45

Trabalhadores da fábrica da Embraer em São José dos Campos (SP) decidiram parar atividades nesta terça-feira, 21, dia em que a companhia faz a apresentação oficial do cargueiro KC-390, para pressionar a empresa a melhorar proposta de reajuste salarial. Cerca de 7 mil dos 12 mil trabalhadores dos setores produtivo e administrativo iniciaram uma greve de 24 horas por um reajuste de 10% nos salários, ante uma proposta de 6,6% da companhia.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, o reajuste de 10% incluiria um aumento real de 3,43%. A proposta da empresa oferece um aumento real de 0,24%.

A Embraer apresenta nesta terça-feira o KC-390, o maior avião já desenvolvido pela companhia, na fábrica em Gavião Peixoto, interior de São Paulo. A apresentação da aeronave acontece depois da companhia ter assinado em maio contrato estimado em US$ 7,2 bilhões para venda de 28 unidades do cargueiro ao governo brasileiro, em negócio que inclui suporte logístico, peças sobressalentes e manutenção.

"Por enquanto, a greve é de 24 horas, mas amanhã (22) faremos uma votação na assembleia. Se a empresa não fizer proposta, não avançar em nada e se os trabalhadores decidirem que devem continuar, seguiremos em greve", disse o vice-presidente do Sindicato, Herbert Claros da Silva. Ele lembra que a data-base da categoria foi em 1º de setembro e as negociações entre os trabalhadores e a Embraer seguem há quase dois meses sem conclusão.

A paralisação ocorre no dia anterior ao pagamento da primeira parcela da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) de 2014 pela Embraer. Cada trabalhador receberá um valor fixo de R$ 912,31 e mais 12,44% sobre o salário, valor considerado baixo pelo sindicalista. "Um trabalhador que ganha R$ 10 mil, por exemplo, vai receber pouco mais de R$ 3 mil de PLR. Na General Motors, aqui perto, com todos os problemas, a PLR é de R$ 16 mil", disse Silva, se referindo ao complexo industrial da montadora em São José dos Campos.

Segundo o vice-presidente do sindicato, a Embraer passa ainda por um "processo de desnacionalização de seus aviões" e o próprio KC-390 seria um exemplo dessa política da companhia. "Muitas partes desses aviões serão feitas nos Estados Unidos e em Portugal", disse Silva. 

O sindicalista alerta ainda que a busca pela Embraer de componentes para os aviões em outros países atinge fornecedores da companhia na região do Vale do Paraíba. Em Jacareí, a fábrica C&D, que já empregou mais de 180 funcionários, terminará o ano com apenas 35 na produção. Já Latecoere do Brasil, na mesma cidade, deixará de produzir a fuselagem dos Embraer 190 e 195 a partir de 2017, cujas peças virão dos Estados Unidos, e pode encerrar as atividades. 

Tudo o que sabemos sobre:
Embraergrevereajuste

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.