Metalúrgicos da GM em São José dos Campos vão parar por 24 horas

Entre as reivindicações dos funcionários estão maior Participação nos Lucros e Resultados e estabilidade no emprego

Mário Braga e Gustavo Porto, da Agência Estado,

27 de maio de 2014 | 10h17

 

SÃO PAULO - Os 5,5 mil metalúrgicos da General Motors de São José dos Campos, interior de São Paulo, anunciaram uma paralisação de 24 horas nesta terça-feira, 27. Entre as reivindicações estão maior Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e estabilidade no emprego.

A última rodada de negociações, na segunda-feira, 26, não chegou a um acordo. Segundo o sindicato dos metalúrgicos, a GM propôs uma PLR inferior à de 2012 e a manutenção de metas de produção, acima do desejado pela categoria.

A montadora ofereceu R$ 9,7 mil de participação nos lucros, mas os empregados almejam o triplo, R$ 29 mil. A argumentação do sindicato é de que o valor representaria 1,24% da previsão de faturamento da fábrica em São José dos Campos neste ano, que é de R$ 9,2 bilhões.

O movimento também defende estabilidade no emprego e reivindica que a presidente Dilma Rousseff assine uma medida provisória proibindo as montadoras de demitirem. A General Motors foi procurada pelo Broadcast, serviço de informações em tempo real da Agência Estado, mas ainda não se pronunciou.

Tudo o que sabemos sobre:
greveGMSão José dos Campos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.