Metalúrgicos da Volks decidem por paralisação total no Paraná

Secretário geral do sindicato dos metalúrgicos disse que a Volks está insistindo na proposta de 9% de reajuste salarial e R$ 2,2 mil de abono

Evandro Fadel, de O Estado de S. Paulo,

21 de setembro de 2010 | 15h00

Os cerca de 3,2 mil metalúrgicos diretos da fábrica da Volkswagen instalada em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, decidiram pela paralisação total das atividades na montadora, alegando que não houve qualquer avanço em relação à discussão do acordo coletivo de trabalho. Desde sábado, eles vinham fazendo greves "pipoca", com paralisação de um ou dois turnos apenas. Uma nova assembleia será realizada na manhã de amanhã, 22, na porta da fábrica.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, a previsão era que somente o primeiro turno ficasse sem trabalhar ontem, caso as conversas entre os dirigentes sindicais e da empresa avançassem ainda pela manhã. Como isso não aconteceu, um carro de som postou-se diante da porta da fábrica no período da tarde comunicando a todos que não precisariam nem mesmo descer dos ônibus porque já estariam retornando para casa.

O secretário geral do sindicato, Jamil Dávila, disse que a Volks está insistindo na proposta de 9% de reajuste salarial e R$ 2,2 mil de abono. No entanto, os trabalhadores já tinham rejeitado na assembleia de sexta-feira. O sindicato propõe o fechamento do acordo nos mesmos parâmetros que fizeram os trabalhadores da Renault, também em São José dos Pinhais, e da Volvo, em Curitiba, suspenderem a paralisação - 10,08% de reajuste salarial e R$ 4,2 mil de abono. "Não há mais espaço para negociação, ou eles dizem sim e todos retornam ou dizem não e continua a greve", afirmou Dávila.

Não estava prevista nenhuma reunião com a direção da empresa na tarde de ontem, mas aguardava-se algum contato com novo posicionamento para ser transmitido aos trabalhadores na assembleia de hoje. A Volks não tem comentado sobre as negociações e greve dos metalúrgicos. De acordo com o sindicato, com a paralisação total de ontem já deixaram de ser produzidos, desde sábado, cerca de 1.800 veículos dos modelos Golf, Fox, CrossFox e Fox Europa. Aproximadamente 30% são enviados para a Europa e América Latina.

Tudo o que sabemos sobre:
Volkswagengreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.