Mexicana Pemex se diz aberta a discutir aliança com Petrobras

A petrolífera estatal mexicanaPemex estaria disposta a discutir uma eventual aliança com aPetrobras, assim que for aprovada no Congresso do uma reformaenergética, disse na quarta-feira o diretor da empresamexicana, Jesús Reyes Heroles. A Pemex precisa explorar depósitos petrolíferos em águasprofundas, onde avaliações sísmicas preliminares indicam havercerca de 30 bilhões de barris de petróleo. Esse tipo de exploração seria mais fácil se for permitida aparticipação de empresas estrangeiras, segundo o governomexicano, que planeja enviar ao Congresso uma reforma, dado queatualmente esse tipo de associação não é permitida. "O que deve ficar muito claro é que neste momento não podehaver associações (...) Essas associações estão proibidas, é asituação legal que há", disse Reyes Heroles em reunião comdeputados do opositor Partido Revolucionário Institucional(PRI). "Esperaremos que se resolva o assunto da reforma e a partirdisso poderíamos considerar alguns dos convites que amavelmentefizeram a Petrobras e o presidente Lula", disse Reyes Heroles. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou na semanapassada que propôs ao colega mexicano, Felipe Calderón, acriação de uma terceira companhia entre Petrobras e Pemex, quesofre com a queda em sua produção de petróleo. Na mesma reunião com parlamentares, a secretaria deEnergia, Georgina Kessel, disse que o governo não determinouainda quais são as soluções para a situação da Pemex, que porsua pesada carga tributária deixa a maior parte dos lucros noscofres do Estado. "Não existe uma determinação a respeito de quais são assoluções para as dificuldades que enfrenta a Pemex (...), entreas opções que estão disponíveis está a questão (...) dealianças com empresas, mas essa é uma entre muitas", disseKessel. Reyes Heroles também afirmou que houve negociações entreMéxico e Brasil para saber de que maneira a Petrobras setransformou em uma referência para a exploração de petróleo emáguas profundas. (Reportagem de Miguel Angel Gutiérrez)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.