Microsoft lança versão online do Office

A Microsoft lançou hoje a versão online de seu software Office, que irá concorrer com produtos como o Google Apps, do Google, e de outras empresas. O lançamento do Office 365 deixa a companhia ainda mais inserida na computação em nuvem (cloud computing), com oferta dos serviços dos programas de computadores pela internet.

CLARISSA MANGUEIRA, Agencia Estado

28 de junho de 2011 | 13h23

Os defensores dessa abordagem argumentam que a nova versão pode reduzir os custos com tecnologia e deixar pessoal livre para se concentrar em projetos específicos da empresa, em vez de em tarefas como atualização de software ou gerenciamento de servidores. "O Office 365 iguala o campo de jogo, fornecendo às pequenas e médias empresas ferramentas poderosas de colaboração que têm dado vantagem às grandes companhias durante anos", disse o executivo-chefe da Microsoft, Steve Ballmer.

Ballmer lançou o Office 365 durante um evento em Nova York. O novo produto oferece versões do Word e Excel que podem ser editadas por múltiplos usuários ao mesmo tempo e acessadas por dispositivos móveis, bem como e-mail, calendário e aplicativos de reunião online. O preço do novo software ficará em torno de US$ 2 por mês, para um serviço que oferece pouco mais do que e-mail, a US $ 27, para uma ampla gama de recursos, como o armazenamento de e-mail ilimitado e uma versão mais poderosa do Office.

O mercado para o serviço de computação em nuvem deverá crescer mais de 27% anualmente nos próximos cinco anos e alcançar US$ 73 bilhões em 2015, segundo previsão da International Data Corp anunciada na semana passada.

O Office 365 não é a primeira incursão da Microsoft na computação em nuvem. Sua plataforma Azure permite que as empresas construam e executem aplicações em nuvem. A Microsoft também ajuda empresas a construírem sistemas de tecnologia da informação em seus próprios centros de dados que oferecem alguns dos benefícios da computação em nuvem. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.