Milho/Cenário: preços sobem mais um pouco no sul

São Paulo, 26 - As cotações do milho deram novo salto ontem no Paraná. No norte do estado, saíram negócios a R$ 16,80/saca, e em Arapongas, chegou a sair um lote a R$ 17,00/saca. Vale lembrar que os preços de lotes estavam em torno de R$ 16,50/saca na região, até o início da semana. No oeste paranaense, as cotações também se firmaram os preços oscilaram entre R$ 16,60 e R$ 17,00/saca, dependendo da localização; quanto mais próximo de Santa Catarina, mais elevado o preço. E no Planalto Catarinense, houve boa demanda da indústria a R$ 19,50/saca, preço que vendedores pretendiam elevar já hoje. Fontes do mercado afirmaram que a alta ocorre porque a colheita já está no fim e os consumidores de milho, que vinham recebendo dos produtores, passaram a se voltar para o mercado de lotes. Além disso, grandes indústrias que vinham se abastecendo no Centro-Oeste voltaram-se novamente para o sul. "E quando a demanda aumenta sem que haja muitos vendedores, o resultado é preços mais firmes", sentencia um corretor da região. De fato, alguns atacadistas afirmam que não têm como vender milho no momento, pois os produtores não estão fixando. Segundo dados do Deral, os preços ao produtor variavam entre R$ 15,00 e R$ 15,50/saca no Paraná. "Isso está fazendo os produtores preferirem a venda da soja no momento", diz a agrônoma Vera Zardo, pesquisadora do Deral. (Renato Stancato, segue) No Mato Grosso, os grandes compradores estão ainda com os mesmos preços. Entretanto, há incursões periódicas de comerciantes em busca de milho no estado, a preços um pouco melhores. Um cerealista estava pagando R$ 10,80/saca em Lucas do Rio Verde ontem, R$ 0,80/saca acima do preço de uma grande integração atuante na região. Nem por isso, encontrou muita gente disposta a vender. Em Cuiabá, saíram 9 mil toneladas a R$ 12,30/saca para uma empresa de ração com sede no sul do País, esta semana. Enquanto isso, nas demais praças do estado, os dias têm sido de lentidão. Há tomador a R$ 12,00/saca em Campo Verde, e a R$ 11,50/saca em Rondonópolis, preços que não animam os produtores. A grande expectativa no Mato Grosso é pelo próximo leilão de opções de venda, que será realizado amanhã. O pequeno ágio pago no leilão da sexta-feira passada animou muitos produtores, que aumentaram as consultas a corretoras do estado. A inclusão de mais armazéns no edital também deve aumentar a demanda, pois reduz o custo da entrega dos estoques. Confira a seguir as cotações do milho no disponível em algumas das principais praças de comercialização do Brasil. A apuração é feita pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da USP (CEPEA): ==========================================================EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DO MILHO NO MERCADO DISPONÍVEL (R$/SC)==========================================================18/ago 19/ago 20/ago 23/ago 24/ago 25/ago==========================================================Passo Fundo 18,63 19,00 18,87 18,83 19,50 18,80Chapecó 18,98 19,24 19,32 19,75 19,71 19,92Paraná/Sudoeste 17,40 17,43 17,46 17,58 17,56 17,70Cascavel 16,22 16,34 16,35 16,43 16,56 16,76Ponta Grossa 17,29 17,16 17,23 17,25 17,31 17,52Paraná/Norte 16,29 16,28 16,18 16,41 16,60 16,69Sorocabana 16,48 16,35 16,80 16,94 16,93 17,17Campinas 18,00 18,09 18,33 18,40 18,63 18,56Mogiana 15,99 16,13 16,48 16,48 16,96 16,61Triângulo MG 15,74 15,88 15,90 15,71 15,78 16,12Rio Verde 14,40 14,33 14,25 14,38 14,50 14,50Sorriso 10,50 10,25 10,25 10,50 10,50 10,25Posto Recife 24,12 24,12 24,12 24,00 24,00 24,12========================================================== (Renato Stancato, fim)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.