Mina de Goro, da Vale, está no prazo apesar de atraso em duto

O atraso na construção de um duto pararesíduos no projeto da Vale na Nova Caledônia, Goro, não tevenenhum efeito sobre o cronograma original ou sobre asestimativas de custo para o projeto de níquel, afirmou umporta-voz da companhia na terça-feira. A Vale interrompeu a instalação de um duto destinado aoescoamento de água processada no início deste ano, apósenfrentar a oposição de ambientalistas e habitantes locais noterritório francês localizado no Pacífico. A construção do restante da mina continua e a Vale diz queespera chegar em breve a um acordo com os grupos para retomar otrabalho no duto em julho. "Ainda é um projeto de 3,2 bilhões de dólares", disse àReuters o porta-voz da Vale, Cory McPhee. "Não houve mudança noorçamento nem ao cronograma". Ele reafirmou a expectativa da empresa de que a mina deveiniciar a produção no final de outubro ou início de novembro. McPhee explicou que grupos locais foram contra oposicionamento do duto em uma área ecologicamente sensível, masque especialistas tinham aprovado os planos da empresa. "Tecnicamente, temos permissão para instalar o duto, mas aomesmo tempo garantir que tenhamos um bom relacionamento comnossos vizinhos é muito importante para nós e é por isso quesuspendemos temporariamente a instalação, para dialogar comeles", disse McPhee. A Vale obteve a Goro quando adquiriu a produtora de níquelcanadense Inco, em 2006. Com capacidade total, Goro deveproduzir 60 mil toneladas de níquel por ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.