Ministro de Finanças do Japão diz que iene forte com deflação é maior preocupação

O governo do Japão interveio nos mercados de câmbio na quarta-feira pela primeira vez em seis anos e meio

Álvaro Campos, da Agência Estado,

17 de setembro de 2010 | 12h24

O ministro das Finanças do Japão, Yoshihiko Noda, afirmou que um iene persistentemente forte representa o maior desafio para a economia do país, e indicou que o governo está pronto para intervir no mercado de câmbio de novo se necessário. "Nossa maior preocupação é se o iene persistir forte por muito tempo, em meio a uma persistente deflação e condições econômicas difíceis", comentou em entrevista à imprensa.

Repetindo comentários recentes, Noda afirmou que vai continuar monitorando de perto o mercado e que o Japão continuará a "tomar medidas decisivas, se necessário, para combater a alta do iene".

O governo do Japão interveio nos mercados de câmbio na quarta-feira pela primeira vez em seis anos e meio, em uma tentativa de evitar mais ganhos da moeda local, que prejudicam a economia do país, dependente das exportações.

Noda também disse que é importante que o Japão explique o que fez nos mercados de câmbio para outros países, fazendo com que eles compreendam a decisão.

Dívida

O ministro das Finanças afirmou que o governo não deve depender da emissão de dívida para pagar pelas novas medidas adotadas para impulsionar a economia do país. "Em princípio, não é desejável emitir bônus do governo" como uma forma de levantar recursos para novas medidas de estímulo, comentou o ministro depois de o primeiro-ministro, Naoto Kan, apresentar seu novo gabinete.

Kan substituiu os ministros da Economia, do Comércio e das Relações Exteriores, mas manteve Noda como ministro das Finanças, sinalizando continuidade à política do câmbio, uma vez que o fortalecimento do iene ameaça a economia.

As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
Japãoienedeflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.