Missão brasileira quer derrubar embargo russo a suínos na 2ª feira

Segundo diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal, 'pontos fracos' já foram corrigidos e as supervisões necessárias já foram realizadas

Ayr Aliski, da Agência Estado,

30 de junho de 2011 | 18h55

A equipe técnica do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) que estará em Moscou na segunda-feira, 4, para negociar o fim do embargo à compra de carne suína brasileira trabalha com a expectativa de resolver o impasse em um só dia de negociações. A estimativa é do diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (DIPOA) do ministério, Luiz Carlos de Oliveira, que integrará a missão. "Os pontos fracos já foram corrigidos, as supervisões já foram realizadas", disse Oliveira, em entrevista na tarde desta quinta.

O diretor do Mapa ressaltou que boa parte das questões técnicas já foram debatidas, seja por meio de troca de documentos ou em reuniões conduzidas pela da embaixada do Brasil em Moscou e pelo adido agrícola brasileiro na Rússia. "Creio que trataremos da parte final da discussão. Trabalhamos com a expectativa de validação da lista (de frigoríficos) que vamos propor para atender as normas aduaneiras da Rússia", afirmou Oliveira.

A equipe técnica do Mapa viajará no próximo sábado, para estar em Moscou na segunda-feira e dar andamento às negociações. O diretor destacou que há cerca de 230 frigoríficos que estariam aptos a abastecer o mercado russo com carne suína brasileira. Oliveira, entretanto, disse que ainda não é possível afirmar quantos serão as unidades que poderão ser aprovadas pelas autoridades de Moscou. "Estamos levando propostas para serem finalizadas. Por isso não falamos que podemos chegar a 140 ou 180 estabelecimentos", disse, otimista. Esta semana, o ministro da Agricultura, Wagner Rossi, havia afirmado que a nova listagem a ser apresentada à Rússia continha 140 estabelecimentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.