China Daily via Reuters - 22/10/2019
China Daily via Reuters - 22/10/2019

Montadora chinesa Great Wall deve começar a produzir no Brasil em 2023

Nesse meio tempo, empresa pretende terminar as modificações que começou a fazer na antiga fábrica da Mercedes-Benz, no interior de São Paulo, adquirida por ela no mês passado

Francisco Carlos de Assis e Eduardo Laguna, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2021 | 05h00

Depois de adquirir, no mês passado, a fábrica da Mercedes-Benz em Iracemápolis, no interior de São Paulo, a Great Wall finaliza os processos legais de transferência das instalações para começar a preparar as linhas aos utilitários esportivos e picapes que a montadora chinesa pretende fabricar no local.

Embora a montadora tenha comprado uma fábrica já erguida, incluindo os equipamentos que eram usados até dezembro de 2020 na montagem de automóveis premium da Mercedes, a adaptação da unidade ao padrão industrial da Great Wall na China não será um processo tão rápido quanto possa parecer. Pelo cronograma, os carros da montadora só devem começar a ser produzidos no Brasil nos primeiros meses de 2023.

Esse é o prazo que a empresa deve levar para desenvolver fornecedores locais e uma rede de revendas – cuja cobertura deve ser nacional – e ampliar a capacidade, de 20 mil para 100 mil automóveis por ano, entre outros trabalhos de adaptação. No total, essas mudanças vão consumir investimentos estimados em aproximadamente R$ 4 bilhões nos próximos cinco anos.

“O arranque da fábrica seria no início de 2023”, contou o diretor de planejamento de produto e estratégia da Great Wall, Anderson Suzuki, durante participação, ontem, no Broadcast Live, programa transmitido pelos canais da Agência Estado no YouTube e no LinkedIn.

Nos próximos dois meses, estimou Suzuki, a fábrica deve ser completamente transferida ao grupo chinês, que poderá começar a transformar as instalações. A intenção é iniciar as importações antes do início da produção. No segundo semestre de 2022, os primeiros carros da Great Wall devem chegar ao País.

Ao justificar a decisão de investir no Brasil depois de tanto a Mercedes quanto a Ford terem desistido de produzir automóveis no País, Suzuki afirmou que o mercado brasileiro tem potencial de voltar nos próximos anos a algo na faixa entre 3 milhões e 3,5 milhões de carros, ante 2,1 milhões de 2021. “É também um mercado competitivo. Praticamente, todas as marcas já estão presentes aqui com produção ou importação.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.