Montadoras japonesas reduzem produção na China e previsão piora

Montadoras japonesas como Toyota e Nissan estão cortando a produção na China após protestos anti-Japão que fecharam concessionárias e afetaram as previsões de vendas no maior mercado de automóveis do mundo.

Reuters

26 de setembro de 2012 | 10h14

A desaceleração da produção é uma característica normal da indústria automobilística em mercados maduros como Estados Unidos e Japão, onde a medida é usada para impedir o aumento desordenado dos estoques e evitar a pressão para as montadoras oferecerem descontos que prejudiquem a lucratividade.

"Por enquanto, eu acho que você vai ver as vendas das montadoras japonesas na China caírem de 20 a 30 por cento", disse o analista Koji Endo, da Advanced Research Japan.

Nissan, a maior montadora japonesa na China, disse que vai suspender a produção em uma joint venture na China a partir de quinta-feira, três dias antes do planejado, até o feriado nacional do país, na próxima semana. A Toyota vai suspender a produção nas fábricas de Tianjin e Guangzhou nesta quarta-feira até o fim do feriado, disse a porta-voz da companhia em Tóquio, Shino Yamada.

Como resultado, um alto executivo da Toyota em Pequim disse que a companhia provavelmente não atingirá a meta de vender 1 milhão de carros na China neste ano. Em 2011, a montadora vendeu cerca de 900 mil carros no país, com parceiros locais.

(Por Norihiko Shirouzu)

Tudo o que sabemos sobre:
AUTOSCHINAVENDAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.