Montadoras japonesas têm perdas de produção de US$250 mi na China

As fabricantes de automóveis japonesas, lideradas pela Nissan tiveram perdas estimadas em 250 milhões de dólares em produção devido aos protestos anti-Japão nesta semana na China, e agora enfrentam o risco de que as vendas serão prejudicadas no maior mercado mundial de carros.

Reuters

20 de setembro de 2012 | 10h16

Manifestantes chineses foram às ruas nesta semana em resposta a uma crescente disputa com o Japão sobre a propriedade de um grupo de ilhas no Mar da China Oriental, o que levou as montadoras japonesas, incluindo a Toyota Motor, Honda Motor e Nissan a interromperem temporariamente as operações em fábricas chinesas.

O volume de produção perdido com essas suspensões chegou a cerca de 14 mil veículos até esta quinta-feira, de acordo com uma estimativa da IHS Automotive.

Isso significaria uma perda de receita imediata de cerca de 250 milhões de dólares, com base em um preço médio por veículo de cerca 18 mil dólares para as marcas japonesas.

O valor pode subir. A Toyota disse que algumas de suas fábricas na China ainda estão com as operações suspensas. A Honda tem duas fábricas interrompidas enquanto a Nissan retomou as operações.

(Por Yoko Kubota)

Tudo o que sabemos sobre:
AUTOSJAPAOPERDASCHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.