Montadoras nacionais não pensam em reajuste de preços, diz Anfavea

Segundo o presidente da associação, decisão do governo sobre IPI foi motivada pelo impacto negativo que a importação de veículos está causando no saldo da balança comercial

Silvana Mautone, da Agência Estado,

19 de setembro de 2011 | 19h01

Embora as montadoras no Brasil não garantam que os preços dos carros nacionais não aumentarão nos próximos meses, agora que os importados passaram a pagar mais imposto, elas não pretendem elevar o custo desses veículos para o consumidor. "As montadoras não pretendem aumentar o preços dos carros, mas não podem se comprometer com isso, se não isso seria cartel", afirmou nesta segunda-feira, 19, o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Cledorvino Belini, durante coletiva de imprensa, em São Paulo. Segundo ele, é improvável que isso aconteça porque a competição entre as montadoras instaladas no País deve continuar acirrada em busca de manutenção de participação de mercado.

Questionado sobre se a decisão do governo, anunciada na semana passada, de aumentar o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre veículos, que atinge principalmente as importadoras, foi fruto de lobby das quatro maiores montadoras instaladas no Brasil (Fiat, Volkswagen, General Motors e Ford), Belini, que também é presidente da Fiat, negou. Ele disse que a decisão foi motivada principalmente pelo impacto negativo que a importação de veículos está causando no saldo da balança comercial brasileira.

Segundo ele, de 2006 a 2010, o saldo da balança comercial caiu de U$ 46 bilhões para US$ 20 bilhões afetada especialmente pelo setor automotivo, que no período passou de um superávit de US$ 9,6 bilhões para um déficit de US$ 6 bilhões.

Belini também foi questionado sobre se a medida não foi dura demais para os importadores, já que o aumento de 30 pontos porcentuais do IPI representou uma lata de 120% a até 428% no valor do imposto dos carros fabricados em outros países, à exceção do México e dos países do Mercosul. "São medidas duras, mas necessárias", afirmou. "Nós também fomos atingidos, porque os nossos carros importados que vêm de outros países que não o México e o Mercosul também vão pagar mais IPI."

A maior parte dos veículos importados comercializados no Brasil é trazida ao País pelas próprias montadoras nacionais. Dados da Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos Automotores (Abeiva), mostram que dos 528.082 veículos importados vendidos no Brasil de janeiro a agosto deste ano, 24,5% foram trazidos pelas associadas da entidade e os demais 75,5%, pelas montadoras instaladas no Brasil.

Tudo o que sabemos sobre:
veículospreçosimportadosIPIAnfavea

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.