Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Montadoras são as marcas francesas mais lembradas no País

Segundo pesquisa da Câmara de Comércio França-Brasil, Peugeot, Renault, Citroën, LOréal, Carrefour, Air France e Christian Dior foram as marcas mais citadas

Equipe AE,

14 de junho de 2011 | 17h58

As marcas de empresas francesas mais lembradas no Brasil são as dos setores automotivos, de cosméticos e alimentício, de acordo com pesquisa divulgada nesta terça-feira, 14, pela Câmara de Comércio França-Brasil. A pesquisa realizada com 500 executivos de empresas localizadas em São Paulo e no Rio de Janeiro aponta que as marcas mais lembradas espontaneamente são: Peugeot, Renault, Citroën, LOréal, Carrefour, Air France e Christian Dior.

A pesquisa mostra que 30% dos entrevistados consideram as marcas francesas melhores do que as marcas nacionais, enquanto 14% afirmam que são iguais, e 1%, piores. Outras 21% dizem que essa classificação depende da categoria do produto. De acordo com o levantamento, entre as características consideras essenciais pelo entrevistado para se lembrar da marca estão a boa qualidade dos produtos, a tradição da marca e a tecnologia empregada.

Segundo Sueli Lartigue, diretora da Câmara de Comércio França-Brasil em São Paulo, o objetivo do estudo é entender as necessidades do mercado nacional e analisar quais características são associadas aos produtos e serviços originados na França. A diretora também destaca que os executivos se informam sobre as marcas de seu interesse principalmente pela internet, seguido de revista, pontos de venda e televisão.

Entre as outras marcas lembradas pelos entrevistados estão a Light e a Eletropaulo (infraestrutura), La Roche e Rhodia (farmacêutico), Channel e Chandon (artigos de luxo), Sodexho e Ticket (serviços) e Alcatel (tecnologia). Os pesquisadores entrevistaram apenas os consumidores que lembraram de modo espontâneo de pelo menos uma marca de origem francesa, embora as pessoas dispensadas da pesquisa também tenham sido contabilizadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.