Monumento à Apple é removido na Rússia após Tim Cook revelar que é gay

Monumento à Apple é removido na Rússia após Tim Cook revelar que é gay

Estátua em forma de iPhone foi retirado por empresa sob alegação de que 'contraria a lei e os bons costumes da família russa'

O Estado de S. Paulo

03 de novembro de 2014 | 15h43


 MOSCOU - Um memorial em homenagem ao fundador da Apple, Steve Jobs, foi desmontado na cidade russa de São Petersburgo, depois que o sucessor de Jobs, Tim Cook, concedeu uma entrevista revelando que tem orgulho de ser gay.

O memorial de seis metros de altura, em forma de um iPhone, foi erguido fora em frente à uma faculdade SãoPetersburgo em janeiro de 2013, por um grupo russo de empresas chamado ZEFS.

Citando a necessidade de respeitar a lei de combate à 'propaganda gay', o grupo ZEFS justificou, em um comunicado divulgado nesta segunda-feira, 4, o motivo da remoção do memorial na última sexta-feira - um dia depois da publicação do artigo no qual Tim Cook revelou sua opção sexual.

"Na Rússia, propaganda gay e outras perversões sexuais entre menores de idade são proibidos por lei", informou o grupo ZEFS, observando que o memorial tinha estava em "uma área de acesso para os jovens estudantes e estudiosos". 

"O monumento foi removido para cumprir a lei federal russa e proteger as crianças promover os valores tradicionais da família", disse o comunicado da ZEFS. 

O presidente Vladimir Putin assinou no ano passado uma lei que proíbe a disseminação de 'propaganda gay' entre menores de idade. A lei causou indignação e protestos no Ocidente, especialmente na fase de preparação para os Jogos Olímpicos de Inverno, no resort do Mar Negro de Sochi, em fevereiro. Agências internacionais

 

Tudo o que sabemos sobre:
AppleGayTim Cook

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.