Moody's: quest?o fiscal ? determinante para o rating

A ag?ncia de classifica??o de risco Moody''s divulgou comunicado reafirmando que a tend?ncia dos gastos prim?rios do governo brasileiro, sua evolu??o nos pr?ximos anos e a relativa estabilidade dos indicadores da d?vida p?blica vis-?-vis seus pares t?m sido e continuar?o como os principais determinantes para a avalia??o de cr?dito do Brasil. "A Moody''s tem repetidamente enfatizado a import?ncia dos fatores fiscais como principal determinante para o rating do Brasil", diz a nota assinada pelo vice-presidente da Moody''s, Mauro Leos.Depois que a Fitch Ratings elevou nesta tarde a nota brasileira para grau de investimento, a Moody''s ? a ?nica das tr?s mais importantes ag?ncias do mundo a classificar o Pa?s abaixo desse n?vel. No dia 30 de abril, a Standard & Poor''s foi a primeira das tr?s grandes a elevar o Brasil a grau de investimento.De acordo com a Moody''s, os fatores adicionais que ir?o influenciar a perspectiva de cr?dito no m?dio prazo incluem melhorias cont?nuas no perfil da d?vida dom?stica que refletir?o no alongamento da maturidade e redu??o dos riscos de rolagem. Como os desafios fiscais s?o amplamente decorrentes do crescimento real dos gastos prim?rios, reformas que contribuem para mitigar a tend?ncia ascendente e o componente n?o discricion?rio dos gastos do governo (Previd?ncia, por exemplo) s?o considerados necess?rios para reduzir as press?es de m?dio termo nas contas fiscais, acrescenta."A perspectiva para o rating soberano do Brasil depende do fortalecimento das contas do governo e do perfil da d?vida, que diminuiriam consideravelmente as vulnerabilidades de um modo geral, assim como assegurariam uma converg?ncia sustentada em dire??o a indicadores de cr?dito mais alinhados com a classifica??o grau de investimento".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.