Alex Silva/ Estadão - 14/12/2021
Alex Silva/ Estadão - 14/12/2021

Movida abre estrutura para 'abastecer' carros elétricos em São Paulo

Loja modelo, localizada na Marginal Tietê, tem áreas para descanso e quer atrair motoristas de aplicativos como Uber e profissionais que atuam com delivery; proposta da Movida é desmistificar o uso de elétricos no País

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2021 | 05h00

A Movida, empresa de aluguel de veículos e soluções em mobilidade elétrica, inaugura hoje uma loja modelo com 11 pontos de recarga de carros elétricos na Marginal Tietê, no bairro do Tatuapé – uma das mais movimentadas vias da cidade de São Paulo. O abastecimento será gratuito.

O projeto tem a parceria da montadora Nissan e da Zletric, fornecedora de carregadores. A área, considerada um hub para clientes que alugam carros elétricos da Movida e para donos do Nissan Leaf, conta com área para descanso e infraestrutura para atender os motoristas, além de estar ao lado da loja de locação e do show room com modelos elétricos.

Entre os objetivos do espaço, informa Renato Franklin, presidente da Movida, está o de atrair taxistas e motoristas de aplicativos como Uber e 99, e empresas e motoristas autônomos que trabalham com delivery. “O uso de veículos elétricos para o trabalho está crescendo porque traz ganho financeiro aos usuários”, diz.

A Nissan cedeu para o espaço um carregador ultrarrápido, que abastece a bateria em 40 minutos. A proposta da empresa é desmistificar o uso dos elétricos no Brasil. “Temos o objetivo e o compromisso de desenvolver esta nova cultura da mobilidade, por meio de acordos que incentivem o uso dos elétricos e apoiem o estudo da tecnologia e soluções ligadas à eletrificação”, afirma Tiago Castro, diretor de marketing e vendas da Nissan do Brasil. “Este espaço reafirma nosso compromisso de que mais pessoas experimentem o carro elétrico.”

A frota da Movida é composta por 168 mil veículos, dos quais 500 são elétricos, grande parte de modelos Leaf, mas também Mini Cooper, Peugeot 208, Fiat 500 e o furgão da BYD eT3, além de caros híbridos. “No momento quase todos estão alugados, só temos 20 no estoque”, informa Franklin.

Custos

Segundo ele, a locação de um carro elétrico custa, em média, de R$ 500 a R$ 600 a mais que um similar convencional. Uma vez incluídos gastos com combustível e eletricidade, porém, a vantagem vai para o modelo a bateria, quando considerado um percurso de 5 mil km por mês. O gasto mensal, segundo cálculos da Movida, ficaria em R$ 7.024 para o automóvel a combustão e R$ 6,5 mil para o elétrico.

Além do hub na Marginal Tietê, a Movida tem outros 37 carregadores de elétricos em lojas da marca em São Paulo e no Rio de Janeiro. Dependendo dos resultados dessa iniciativa, outros espaços similares serão criados.

A Movida já tem aprovado pela Simpar – a holding controladora da empresa – investimentos de R$ 5 bilhões a R$ 6 bilhões em 2022. A maior parte será usada para ampliação da frota em cerca 30 mil a 50 mil carros, muitos deles elétricos. 

Mercado de carros elétricos está em alta

  • Vendas de eletrificados:

Até novembro foram vendidos no País 2.148 automóveis elétricos e 28.297 híbridos, ante 19,7 mil em todo o ano passado, na soma de modelos com as duas tecnologias.

  • Frota maior:

A Movida tem frota de 500 veículos 100% elétricos para locação, número que aumenta em média 50 unidades ao mês. O grupo já tem aprovado um investimento de R$ 5 bilhões a R$ 6 bilhões para ampliar sua frota total em 2022, hoje de 168 mil carros.

  • Carregador:

A startup Zletric vai oferecer aos proprietários e locadores de carros elétricos a locação do Wallbox, um tipo de carregador de baterias que pode ser instalado nas residências dos usuários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.