Movida/Divulgação
Movida/Divulgação

Movida anuncia compra da Marbor Frotas por R$ 130 milhões

Com o acordo, a empresa se fortalece no nicho de gestão e terceirização de frotas; Marbor atua no segmento desde 1996

Por Beth Moreira, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2021 | 12h13

A Movida anunciou nesta quinta-feira (16) a compra da Marbor Frotas Corporativas por R$ 130 milhões. O preço final de aquisição será pago em dinheiro, sendo 50% à vista e 50% no 1º aniversário da transação. Segundo a empresa, a aquisição fortalece a companhia em nichos específicos de mercado e aumenta a carteira de clientes da companhia no segmento de gestão e terceirização de frotas. Fundada por Marcos Borenstein na cidade de Mogi das Cruzes (SP), a Marbor atua nesse setor desde 1996.

Na última quarta-feira, a Localiza teve aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), com restrições, para a fusão com a Unidas. As empresas se comprometeram a vender 70 mil veículos para obter a aprovação do negócio. Além disso, a Localiza não poderá fazer aquisições de empresas de locação de veículos pelo prazo de três anos. O novo acordo da Movida nesta quinta-feira mostra mais uma movimentação no setor de aluguel de automóveis e gestão de frotas.

Para a Movida, a aquisição da Marbor irá contribuir com 1,8 mil veículos atrelados a contratos de locação, que têm uma idade média de aproximadamente 1,4 ano. Os automóveis estão distribuídos entre mais de 100 clientes corporativos com contratos com prazo médio de 2,7 anos. 

Entre julho de 2020 a agosto de 2021, a Marbor registrou receita líquida de aluguéis de R$ 26 milhões e lucro líquido ajustado de R$ 5 milhões, além de uma dívida líquida de R$ 74 milhões. Entre 2017 e 2020 a Marbor teve uma taxa de crescimento anual de cerca de 35% no tamanho de sua frota, totalizando um aumento de mais de mil veículos em apenas 3 anos.

 

Tudo o que sabemos sobre:
LocalizaMovidaempresa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.