Múltis investem em automação por competitividade

Investir no Brasil, em tempos de desaceleração dos mercados maduros, é prioridade para as gigantes multinacionais. No entanto, operar localmente é considerado caro em relação a outros mercados - fator evidenciado pelo dólar baixo. Para ganhar mercado no País sem estourar o orçamento, as companhias têm atacado o dispêndio excessivo com mão de obra. A ordem é ganhar escala investindo em mais tecnologia e evitando contratações.

AE, Agencia Estado

16 de agosto de 2011 | 10h29

A alemã Basf é uma das gigantes internacionais que se debruçam sobre a tarefa com mais afinco. Os planos para a empresa no País estão fortemente baseados em automação. Prestes a liberar seu maior investimento no País em décadas - uma unidade de ''fabricação de ácido acrílico, no polo de Camaçari, na Bahia -, a companhia já decidiu que, caso o investimento saia, a ordem é reduzir a contratação de mão de obra ao mínimo necessário. Executivos da empresa disseram que, para liberar dinheiro na matriz, é preciso mostrar que o projeto terá tecnologia e automação como forças motrizes.

Essa lógica também será aplicada à operação de tintas da Basf no País - a empresa é dona da marca Suvinil, líder de mercado no País, há mais de 40 anos. A Suvinil, com sede em São Bernardo do Campo (SP), tem a meta de aumentar a produção em 15% até 2013 - para um total de 300 milhões de litros - sem a necessidade de contratar um único funcionário de chão de fábrica. Nos próximos dois anos, os investimentos devem ficar concentrados somente em automação.

Segundo Antonio Carlos Lacerda, vice-presidente sênior da Basf para a América do Sul, a empresa vai implantar 17 projetos de revisão de processos na unidade do ABC Paulista com a meta de manter o número de funcionários em 1.260. ?O foco do investimento vai mudar consideravelmente. Contratar está caro - é preciso investir em automação?, diz o executivo. ?E sempre dá para automatizar mais um pouco.?

A americana 3M também aposta na automação para fugir do custo da mão de obra. Segundo o diretor de operações industriais da companhia, Afonso Chaguri, a empresa conseguiu, nos últimos três anos, um avanço de 10% a 15% da produtividade em suas diferentes fábricas sem aumentar o número de funcionários. ?Substituímos linhas semiautomáticas por totalmente automáticas. Ganhamos velocidade de resposta, qualidade e cortamos custos.?

A automação, de acordo com o executivo, é uma arma para a empresa se proteger da invasão de importados. Embora a 3M produza tecnologia de ponta, a companhia se preocupa em fornecer opções mais baratas para combater a concorrência chinesa. ?Ano a ano, o Brasil tem perdido competitividade em relação às outras subsidiárias. Felizmente, o motor do crescimento da 3M no Brasil é o mercado interno.? As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
multinacionaisinvestimentosBasf3M

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.