Na Grécia, partido da esquerda radical diz que vai liderar oposição

Depois da vitória conservadora nas eleições deste domingo, líder do partido grego Coalizão de Esquerda Radical diz que oposição tem o papel de intervir de maneira combativa e responsável

Álvaro Campos, da Agência Estado,

18 de junho de 2012 | 10h08

ATENAS - O líder do partido grego Coalizão de Esquerda Radical (Syriza), Alexis Tsipras, afirmou nesta segunda-feira que sua sigla não vai fazer parte de uma coalizão de governo com o conservador Nova Democracia, que venceu as eleições realizadas ontem. Mas ele prometeu ser responsável na oposição.

"O papel de uma oposição forte, eficiente e responsável é criticar as coisas que estão erradas, verificar cada passo do governo e intervir de maneira combativa e responsável. Eu garanto ao líder do Nova Democracia que é isso que nós vamos fazer, com total ciência do papel que os eleitores gregos nos deram", comentou Tsipras.

Ele disse ainda que não tentaria formar um governo caso o Nova Democracia fracasse nessa tarefa, porque isso iria contra a vontade que o povo grego expressou nas eleições de ontem.

Os comentários foram feitos após Tsipras se encontrar com o líder dos conservadores, Antonis Samaras. Ele tem três dias, a partir de hoje, para formar um governo de coalizão, que muito provavelmente contará com a participação do Partido Socialista (Pasok).

Segundo Tsipras, a Grécia precisa formar um governo o mais rápido possível. Ele também cobrou que Samaras encabece uma dura renegociação com os credores internacionais sobre os termos do segundo pacote de resgate destinado ao país, de 130 bilhões de euros.

"O novo governo grego que será formado terá de ir a Bruxelas (onde fica a sede da União Europeia) com um padrão elevado para as negociações", disse, se referindo à reunião de cúpula do bloco que acontece nos dias 28 e 29 deste mês.

Samaras se encontrará com o líder do Pasok, Evangelos Venizelos, por volta das 12h (de Brasília). Juntos os dois partidos teriam 162 cadeiras, dos 300 assentos do Parlamento. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
gréciacriseeleição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.