Não existe plano B para evitar default da Grécia, diz UE

'A única maneira de evitar um default imediato é o Parlamento endossar o programa econômico revisado', disse Reh

Danielle Chaves, da Agência Estado,

28 de junho de 2011 | 08h25

A União Europeia não tem um plano B para evitar um default da Grécia caso o Parlamento grego rejeite nesta semana a legislação de austeridade proposta pelo primeiro-ministro do país, George Papandreou, afirmou o comissário econômico europeu, Olli Rehn.

Alguns relatos da imprensa, citando fontes, afirmaram que a União Europeia teria um plano B para evitar um default se o Parlamento grego não aprovar as medidas. "A única maneira de evitar um default imediato é o Parlamento endossar o programa econômico revisado", disse Rehn em um comunicado. "Para aqueles que especulam sobre outras opções, quero ser claro: não há plano B para evitar um default", acrescentou.

A Grécia enfrentará uma falta de recursos em meados de julho caso não receba uma parcela de 12 bilhões de euros do empréstimo oferecido ao país no ano passado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e por governos da zona do euro. Os governos europeus têm afirmado que só fornecerão sua parte da ajuda se o Parlamento grego aprovar as medidas de austeridade e a legislação de implementação dessas medidas nas votações marcadas para amanhã e quinta-feira.

Rehn pediu uma reforma do sistema fiscal grego que reduziria as taxas dos impostos mas ampliaria a base. "A reforma deveria simplificar o código fiscal, ampliar a base fiscal e reduzir as taxas de uma forma neutra", afirmou. "Se os objetivos de contenção de gastos forem atingidos e superados, isso vai então pavimentar o caminho para um sistema fiscal mais benéfico para o crescimento", completou.

Reino Unido tem planode contingência

O Banco da Inglaterra (BOE) está elaborando planos de contingência paralidar com possíveis consequências de um default soberano na zona doeuro, afirmou o presidente da instituição, Mervyn King, a parlamentaresdo Reino Unido.

King não quis dizer quais chances de um default da Grécia ele achaque existem, mas declarou que os mercados financeiros calculam essapossibilidade em cerca de 80%. "Existe preocupação suficiente no mercadocom o risco de um default soberano para nós considerarmos planos decontingência", disse.

O presidente do BOE não detalhou a questão, mas afirmou que o bancocentral tem linhas de liquidez que pode oferecer para bancosproblemáticos e que podem começar a ser usadas imediatamente, senecessário.

King acrescentou que ganhar tempo para países endividados da zona doeuro com socorros não é suficiente. Nações problemáticas precisamresolver seus problemas fundamentais, segundo King.As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
BOEReino Unidozona do euro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.