Não existe 'plano B' para questão da dívida, diz conselheira de Obama

'O Congresso precisa agir, não existem saídas fáceis, eles precisam fazer seu trabalho e precisam fazer agora', disse Valerie Jarrett

Álvaro Campos, da Agência Estado,

27 de julho de 2011 | 17h25

Uma conselheira sênior do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse hoje que o Congresso precisa agir rapidamente para elevar o limite de endividamento do país. Questionada se Obama poderia invocar a 14ª Emenda para elevar ele próprio o teto da dívida, Valerie Jarrett disse à CNBC que "o secretário do Tesouro já foi bem claro sobre isso: não existe um 'plano B', o Congresso precisa agir, não existem saídas fáceis, eles precisam fazer seu trabalho e precisam fazer agora".

Na semana passada, Obama disse que seus advogados não tinham certeza se invocar a 14ª Emenda seria "um bom argumento". Jarrett também reiterou que o governo acredita que o plano de curto prazo do presidente da Câmara, o republicano John Boehner, para reduzir o déficit e elevar o teto da dívida "não será aceitável para cumprir nossas obrigações" e dar segurança aos mercados.

A 14ª Emenda da Constituição norte-americana estabelece, em parte, que "a validade da dívida pública dos EUA não pode ser questionada". Esse artifício, entretanto, nunca foi utilizado para emitir dívida. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.