‘Não vi ninguém na rua falando em descontrole da economia’, diz Mantega

Ministro da Fazenda disse que manifestações brasileiras são diferentes dos protestos no exterior, que pedem salários e empregos

Laís Alegretti, Adriana Fernandes e Renata Veríssimo, da Agência Estado,

26 de junho de 2013 | 12h27

BRASÍLIA - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta quarta-feira, 26, que não viu reclamações nas ruas sobre controle da economia. "Não vi ninguém na rua falando de descontrole da economia. Posso ter perdido alguma coisa", afirmou, durante audiência na Câmara.

O ministro disse que as manifestações nas ruas "são eventos normais de uma democracia e assim devem ser encarados, com exceção de atos de vandalismo, que não devem ser tolerados", disse. "Aqui em Brasília, estamos acostumados com movimentações de rua. Temos toda semana, é um fenômeno normal", afirmou.

Mantega disse que a diferença entre os protestos no Brasil e no exterior são as pautas. "Nos países avançados, reivindicam salários, empregos. Aqui, são reivindicações específicas e são feitas por jovens e classe média."

O ministro disse que a pauta das manifestações no Brasil é extensa e que se refere a várias esferas de governo. "Compostas por diferentes partidos, é importante destacar", colocou. "A condição social do brasileiro melhorou muito nos últimos anos. É natural que se anseie por condições ainda melhores, que melhore segurança, saúde, educação. Nós, governos e parlamento temos que procurar atender."

Os cartazes nas ruas, no entanto, trazem outra mensagem. Os protestos têm temas econômicos em suas reivindicações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.