Naouri vai presidir controladora do Grupo Pão de Açúcar

Assembleia geral extraordinária na manhã desta sexta-feira aprovou o francês Jean-Charles Naouri, presidente do Casino, como novo presidente da Wilkes

Vanessa Stecanella, da Agência Estado,

22 de junho de 2012 | 11h05

SÃO PAULO - O francês Jean-Charles Naouri, presidente do Casino, foi aprovado como novo presidente da Wilkes, controladora do Grupo Pão de Açúcar, em assembleia geral extraordinária na manhã desta sexta-feira. O empresário anunciou em 14 de maio a decisão de exercer seu direito de assumir a presidência do conselho da holding e a opção de compra que lhe permite adquirir 1 (uma) ação ordinária de emissão da Wilkes, passando a deter a maioria das ações com direito a voto de emissão da empresa.

A aquisição desta ação está condicionada ao não exercício, por Abilio Diniz, até 22 de agosto de 2012, da sua primeira opção de venda, que obriga o Casino a adquirir um milhão de ações com direito a voto de emissão da Wilkes (com o que Casino também se tornaria titular da maioria das ações com direito a voto de emissão da Wilkes), conforme previsto no Acordo de Acionistas assinado por ambos há seis anos. Esta quantidade equivale a cerca de 2,4% das ações da Wilkes, que representam 0,4% das ações ordinárias do Pão de Açúcar. Se isso não acontecer, os franceses poderão exercer o direito de comprar esta uma ação da Wilkes pelo valor simbólico de R$ 1, ficando majoritários na holding.

O conselho de administração da Wilkes se reunirá nesta sexta-feira para instrução de voto na assembleia geral extraordinária de GPA, que tratará da eleição de membros para o conselho de administração do grupo.

A Wilkes foi criada em 2006, após o segundo aporte do Casino no GPA, para Naouri e Abilio Diniz controlarem de forma compartilhada a companhia. Os recursos vindos da França contribuíram para Abilio Diniz dar um impulso nos negócios. De 2006 para o ano passado, o faturamento bruto do Pão de Açúcar cresceu quase 230%, de cerca de R$ 16 bilhões para R$ 52 bilhões. Em 2007 a rede criou uma joint venture com o atacadista Assaí, que foi incorporado pelo grupo em 2009. No mesmo ano, o Pão de Açúcar adquiriu o Pontofrio (ex-Globex) e se associou com a Casas Bahia, colocando a companhia na posição de maior grupo de distribuição da América Latina.

O Acordo de Acionistas firmado entre os empresários prevê uma segunda opção de compra e venda de 19.375.000 ações ON, que deve ser exercida no período de oito anos a partir de 22 de junho de 2014.

A mudança de controle não implica alteração de estratégia para o Pão de Açúcar, de acordo com comunicado do Casino enviado à companhia em maio. "O Casino reafirma o seu total apoio e confiança na extraordinária administração do Grupo Pão de Açúcar e seu compromisso de longo prazo com o Brasil", dizia a nota.

Tudo o que sabemos sobre:
Pão de AçúcarAGEcontroleCasino

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.