Natura diz enfrentar desaceleração que não era esperada

A Natura enfrenta um cenário de desaceleração da atividade econômica que não era esperado. "No primeiro trimestre, não tínhamos tão clara a desaceleração do mercado", afirmou o vice-presidente de Finanças, Jurídico e TI da companhia, Roberto Pedote, em entrevista a jornalistas. Ele avaliou que o atual momento "é de uma leitura bastante difícil" do mercado. "Todas as empresas estão tentando entender o cenário (econômico) no Brasil. Há setores afetados de forma diferente", afirmou.

RODRIGO PETRY, Agencia Estado

21 de julho de 2011 | 11h47

Segundo ele, citando dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), o mercado cresceu 13,5% nos quatro primeiros meses do ano passado, mas desacelerou para 9,5% no mesmo período deste ano. "Quando o mercado cresce menos, a competitividade aumenta. Há um bolo menor (de vendas), mas com os mesmos players", disse.

Pedote acrescentou que a empresa lança neste segundo semestre "um novo conceito" e a submarca "VôVó", e relançou toda a linha Ekos, com maior composição de ativos da biodiversidade brasileira e novas embalagens. "Estes lançamentos vão estar bem apoiados em nosso plano de marketing, com os investimentos necessários", afirmou.

Estoques elevados

O crescimento menor do mercado neste primeiro semestre provocou um aumento nos estoques da Natura. "Estávamos preparados para vender mais do que aconteceu. E terminamos o trimestre com estoques mais altos, afetando o capital de giro", afirmou o vice-presidente de Finanças, Jurídico e TI da companhia, Roberto Pedote. Segundo o executivo, os estoques serão ajustados ao longo do segundo semestre, para terminar o ano adequadamente. "É melhor termos mais produtos, do que ter menos e perder vendas", complementou.

Na avaliação de Pedote, porém, os custos de produção da Natura "estão bem equilibrados", resultando em ganhos de margens ao longo do primeiro semestre. "Aumentamos os preços (no primeiro trimestre) e as pressões de custos estão favoráveis, pelos nossos ganhos internos de produtividade e junto com fornecedores", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
cosméticosperfumariaeconomiaNatura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.