Natura
Natura

Natura recebe selo contra teste em animais

Certificação concedida pela organização de proteção animal Cruelty Free Internacional vale para todos os produtos da marca, que usa modelos 3D para fazer testes de irritação e alergia

Dayanne Sousa, O Estado de S.Paulo

27 Setembro 2018 | 21h58

A fabricante de cosméticos brasileira Natura anunciou nesta quinta-feira, 27, conquista de uma certificação global pelo não uso de testes em animais. O selo “The Leaping Bunny”, concedido pela organização de proteção animal Cruelty Free Internacional, vale para todos os produtos da marca, vendidos dentro e fora do Brasil. A entidade atua pela aprovação de leis e pelo banimento a testes em animais

Segundo a diretora de inovação e Segurança do Consumidor da Natura, Roseli Mello, a Natura é a primeira empresa brasileira a obter a certificação. A companhia baniu testes em animais desde 2006. Desde então, reforçou o monitoramento de fornecedores de ingredientes, passo exigido para a certificação. A marca britânica The Body Shop, adquirida pela Natura em 2017, já tem o selo.

A Natura acredita que a comunicação com consumidores internacionais pode ser facilitada com a obtenção do selo contra testes em animais. Hoje, a Natura é vendida na América Latina, Estados Unidos e França, mas a empresa tem planos de levar a marca a mais países.

“Não é que a certificação tenha sido buscada por isso, mas facilita a comunicação internacional”, disse Roseli. A executiva destacou ainda que o compromisso com não testar em animais afasta a Natura de exportar produtos para a China. A legislação do País obriga que cosméticos produzidos fora do território chinês sejam testados em animais.

Alternativa

Como alternativa aos testes em animais, a Natura informou que usa modelos 3D de pele e córnea, que possibilitam a investigação de irritação e alergia sem uso de testes em animais. Em parceria com a Universidade de São Paulo, a empresa está trazendo para o Brasil a tecnologia de impressão 3D de tecidos.

Mais conteúdo sobre:
Naturaanimalcosmético

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.