Natura
Natura

Natura tem queda de 87,1% no lucro do primeiro trimestre de 2018

Companhia informou que lucro de R$ 24,4 milhões foi afetado pela reversão de provisão de Pis e Cofins registrada no primeiro trimestre de 2017, além de custos associados à aquisição da The Body Shop

Dayanne Sousa, O Estado de S.Paulo

10 Maio 2018 | 20h32

A fabricante de cosméticos Natura reportou lucro líquido de R$ 24,4 milhões no primeiro trimestre de 2018, queda de 87,1% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

+ Carf mantém multa à Natura de R$ 925 mi 

A companhia informou que o resultado foi afetado pela reversão de provisão de Pis e Cofins registrada no primeiro trimestre de 2017, além de custos associados à aquisição da The Body Shop. Excluindo esses efeitos, o lucro teria sido de R$ 88,2 milhões, contra um prejuízo de R$ 1,3 milhão no primeiro trimestre de 2017.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) consolidado do grupo entre janeiro e março foi de R$ 318,9 milhões, recuo de 12,5% ante os mesmos meses de 2017.

+ Natura tem lucro de R$ 256,8 milhões no quarto trimestre de 2017

Excluindo os efeitos extraordinários, a Natura afirma que seu Ebitda teria sido R$ 45,8 milhões maior do que no primeiro trimestre de 2017.

A Natura apurou receita líquida consolidada de R$ 2,687 bilhões no primeiro trimestre, crescimento de 55,5% ante igual período do ano passado.

Receitas no Brasil. A Natura registrou crescimento de 0,8% nas vendas líquidas no Brasil no primeiro trimestre de 2018 em comparação com igual período do ano anterior. A companhia teve receita de R$ 1,168 bilhão no Brasil nos três meses iniciais do ano.

A fabricante de cosméticos afirmou que o desempenho no trimestre foi impactado pelo calendário comercial, com a transferência para o segundo trimestre da campanha do Dia das Mães. Em comentário sobre os resultados, a empresa citou ainda "um cenário cada vez mais competitivo e um mercado de consumo modesto".

+ Gigantes se conectam às startups para inovar

Mais uma vez a Natura apresentou recuo em sua base de consultoras no País. A companhia informou que chegou ao final de março com aproximadamente 1,047 milhão de consultoras. São 83 mil pessoas a menos do que no mês dezembro de 2017.

A companhia afirmou, no entanto, que houve aumento na produtividade, que é o volume de venda por consultora. "Enquanto o total de consultoras diminuiu, a sua migração para os estágios superiores do nosso novo modelo continuou", disse a companhia. O modelo de venda direta da Natura foi reformulado, passando a oferecer mais benefícios a consultoras que vendem mais.

The Body Shop. Sob o comando da Natura, a rede de cosméticos The Body Shop encerrou o mês de março com 43 lojas a menos do que em dezembro do ano passado. Ao final do primeiro trimestre, a rede de lojas da marca, cujo controle foi assumido pela Natura em setembro, chegou a 1.068 pontos de venda próprios e outras 1.938 franquias.

+ Natura vai captar R$ 1,4 bilhão para pagar The Body Shop

Em teleconferência com jornalistas, o presidente executivo do Conselho de Administração da Natura&Co, Roberto Marques, afirmou que a companhia deve continuar avaliando a base de lojas da The Body Shop para possíveis fechamentos.

"Estamos num processo de transformação da The Body Shop, o qual passa por essa revisão de lojas, principalmente lojas próprias", declarou o executivo. Segundo ele, a Natura pode não apenas decidir pelo fechamento de lojas não produtivas como também poderá abrir lojas em outros locais "onde faça sentido".

Questionado, Marques não revelou o quanto a base de lojas da The Body Shop poderia encolher. Ele disse apenas que há uma avaliação "mercado a mercado" e que o processo será contínuo.

A Natura tem informado que a The Body Shop precisaria passar por uma reestruturação. No primeiro trimestre de 2017, antes de ser adquirida pela Natura, a empresa de origem britânica tinha reportado Ebitda negativo em R$ 8,5 milhões. Já nos três primeiros meses de 2018, o resultado foi positivo em R$ 57,1 milhões.

Para Marques, "ainda existe muito trabalho pela frente" com a The Body Shop. Ele afirmou que a companhia está apenas começando a capturar algumas sinergias esperadas com a aquisição. Entre as possíveis sinergias, ele destacou áreas como a compra de produtos e ingredientes ou de tecnologia.

Mais conteúdo sobre:
NaturaEbitda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.