Negócio de US$10 bi pode unir líderes em shoppings nos EUA

A companhia norte-americana Simon Property Group disse ter oferecido 10 bilhões de dólares pela General Growth Properties , negócio que encerraria um dos maiores processos de recuperação judicial já ocorridos nos EUA e uniria os dois maiores administradores de shopping centers do país.

REUTERS

16 de fevereiro de 2010 | 19h59

A Simon disse na terça-feira que ofereceria 6 dólares por ação, ou cerca de 1,9 bilhão de dólares, mais uma participação em patrimônio imobiliário avaliada em cerca de 3 dólares por ação.

As ações da General Growth dispararam após a notícia, subindo mais de 25 por cento. As ações da Simon também subiram cerca de 4 por cento.

Em nota, a Simon disse que o comitê de credores da General Growth aprovou a oferta, que permitiria aos credores uma recuperação em dinheiro de 100 por cento das dívidas, mais juros e dividendos, num valor de cerca de 7 bilhões de dólares.

A General Growth entrou com pedido de recuperação judicial em abril, levando consigo 158 dos seus mais de 200 shoppings, depois de tentar durante meses refinanciar sua dívida. Seu patrimônio declarado é de 29,56 bilhões de dólares, com dívidas de 27,29 bilhões de dólares.

A empresa de Chicago é a segunda maior proprietária de shoppings nos EUA, o que inclui pontos comerciais valorizados, como o South Street Seaport, em Nova York, e o Fashion Show de Las Vegas.

A Simon, de Indianápolis, é dona ou tem participação em 382 shoppings, com uma área total de 24,25 milhões de metros quadrados para locação na América do Norte, Europa e Ásia. Isso inclui shoppings movimentados como o Roosevelt Field em Long Island (Nova York) e o Sawgrass Mills Circle, perto de Fort Lauderdale, na Flórida.

A transação não está sujeita a condições de financiamento. A Simon pretende bancá-la com dinheiro vivo, facilidades de crédito existentes e investimentos institucionais.

Lazard, JPMorgan e Morgan Stanley dão consultoria financeira à Simon, e o escritório Wachtell, Lipton, Rosen & Katz presta assessoria jurídica.

Tudo o que sabemos sobre:
EMPRESAS, SIMON*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.