Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

‘Ninguém investe a fundo perdido’

Negócio com a Qatar Airways dá tranquilidade à Latam em um momento crítico para o setor aéreo

Entrevista com

Claudia Sender, presidente da Latam no Brasi

Marina Gazzoni, O Estado de S.Paulo

13 Julho 2016 | 05h00

O aporte da Qatar Airways na Latam dá tranquilidade e liquidez para a empresa em um momento desafiador para o setor aéreo brasileiro, resume a presidente da Latam no Brasil, Claudia Sender. Ela ressalta, no entanto, que o reforço financeiro não reduz a necessidade de a companhia seguir com seu plano para recuperar a rentabilidade das operações.

Assim como suas concorrentes, a Latam está reduzindo frota e cortando voos no Brasil para se ajustar à uma demanda mais fraca em meio à crise.

Leia a seguir os trechos da entrevista ao Estado:

Por que a Latam fez essa operação com a Qatar Airways?

Foi um aporte importante para a Latam. Primeiro, pelo premio oferecido. E, segundo, porque acreditamos que é o momento de reforçar o caixa. Apesar de acreditarmos que o pior da crise já passou, toda a região ainda tem um desafio macroeconômico bastante interessante pela frente. Essas incertezas impactam a nossa indústria e temos compromissos de capital com frota bastante elevados no futuro.

Esse dinheiro tem destinação?

Não. Esse capital vem mesmo para reforçar caixa em momento de incerteza na região.

O Brasil ainda tem limite de capital estrangeiro para aéreas. Como isso foi equacionado?

A Qatar entra no capital da Latam (que tem sede no Chile). A TAM SA, que reúne as operações do Brasil, fica com sua estrutura societária inalterada.

A Latam precisa de mais capital ou esse aporte é suficiente?

Esse capital nos dá uma situação de liquidez no longo prazo, mas não diminui o tamanho do desafio que temos no Brasil de retomar a rentabilidade de operações. Ninguém empresta capital a fundo perdido. Tivemos prejuízo de R$ 1,2 bilhão no ano passado no Brasil e este ano está caminhando para algo igual ou pior. Precisamos, sim, enfrentar o que torna a aviação brasileira menos competitiva para voltarmos a ter rentabilidade.

O que muda com a Qatar do ponto de vista operacional?

O acordo prevê que a Qatar terá um assento no conselho da Latam. Todo o resto, como integração de malhas e algum tipo de sinergia operacional, vamos olhar a partir de agora. Até esse momento falávamos de um aporte de capital. 

Mais conteúdo sobre:
Latam Brasil Chile Aviação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.