Nippon e JFE reduzem previsões de resultado por alta do carvão

As duas maiores siderúrgicas do Japão, Nippon Steel e JFE Holdings, reduziram previsões de lucro anual depois que a recente alta nos custos das matérias-primas passou a pressionar a lucratividade do setor.

YUKO INOUE, REUTERS

28 de janeiro de 2011 | 11h50

A Nippon Steel e a JFE, que estão em quarto e quinto lugares no ranking mundial de produtores de aço, têm encontrado dificuldade em aumentar preços para lidar com um salto no custo dos insumos que ganhou força no mês passado pelas enormes enchentes na Austrália.

As empresas também tem sido pressionadas pela valorização do iene, que prejudica a competitividade de suas exportações e oferece vantagem a rivais como a sul-coreana Posco e a chinesa Baosteel.

As siderúrgicas japonesas, em resposta as enchentes australianas, já começaram a comprar carvão dos Estados Unidos e de outras regiões. Mas como a Austrália era responsável por atender 60 por cento do atendimento da demanda por carvão siderúrgico, vai levar algum tempo para que a perda de produção australiana seja compensada.

A Nippon Steel afirmou que assegurou estoques de carvão suficientes para manter produção pelo menos até março, mas alertou que poderá ter de fazer cortes de produção a partir de abril se a oferta ficar escassa.

A Nippon agora espera um lucro recorrente de 220 bilhões de ienes (2,65 bilhões de dólares) para o ano que se encerra em 31 de março. A projeção é 12 por cento menor que a estimativa anterior da empresa. A previsão também é menor que a média estimada pelo mercado de 252,4 bilhões de ienes.

Enquanto isso, a JFE cortou sua projeção anual de lucro em 23 por cento, para 170 bilhões de ienes, bem abaixo da estimativa média do mercado de ganho de 224 bilhões.

Tudo o que sabemos sobre:
SIDERURGIACORTEPREVISOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.