Divulgação
Divulgação

Nippon vai à Justiça contra a eleição de Sergio Leite para Usiminas

Sócia controladora da siderúrgica mineira disse tomará todas as medidas legais necessárias para que a escolha de Leite como presidente da empresa seja anulada

Fernanda Guimarães, Estadão Conteúdo

26 de maio de 2016 | 13h36

A Nippon Steel, sócia controladora da Usiminas ao lado da argentina Ternium, disse que a eleição de Sergio Leite para a presidência da siderúrgica mineira, no lugar de Romel de Souza, não cumpriu com o acordo de acionistas, já que a indicação não ocorreu após seu consentimento prévio, destacou hoje o grupo japonês em comunicado. Assim, a Nippon entende que a decisão tomada ontem em reunião do Conselho de Administração foi inválida e que, por isso, tomará todas as medidas legais necessárias para que a mesma seja anulada.

"A Nippon acredita que houve claramente uma violação do acordo de acionistas da Usiminas, que requer consenso prévio entre a Nippon e Ternium para a indicação do presidente e membros da diretoria", destaca a japonesa em nota.

Leia Também

O Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, apurou que o placar da votação em reunião do Conselho de Administração, que ocorreu ontem em São Paulo, foi de seis a três. Votaram a favor da troca da presidência os três conselheiros indicados pelas Ternium, o do BTG, o indicado pela Previdência Usiminas e o dos Trabalhadores. Os demais foram os dos conselheiros indicados pela Nippon, que já havia se colocado contra a troca da presidência. Os conselheiros indicados pela CSN se abstiveram.

Souza, que é nome de confiança da Nippon, estava no cargo desde setembro de 2014, quando substituiu Julian Eguren, que foi destituído pelo Conselho de Administração também em uma reunião que dividiu o colegiado e que fez a Ternium questionar a legalidade do afastamento, visto que não houve consenso entre os signatários do bloco de controle. Desde esse episódio, se tornou pública a briga societária entre as duas empresas, que ganhou agora novo impulso com a troca da presidência. Além de Ternium e Nippon Steel fazem parte do bloco de controle a Previdência Usiminas.

"Sob a liderança de Romel Erwin de Souza, a Usiminas tem se esforçado para melhorar sua solidez financeira, tomando várias medidas incluindo um aumento de capital no valor de R$ 1 bilhão e reestruturação de sua dívida com os principais bancos", destaca a Nippon, na mesma nota. A empresa japonesa diz ainda que a Usiminas vive um momento delicado e que uma grande mudança em sua diretoria pode "comprometer os esforços da Usiminas para sua recuperação, o que seria contra os interesses de seus acionistas e stakeholders".

Sergio leite era diretor vice-presidente Comercial da Usiminas. No seu lugar foi eleito Ascanio Merrighi de Figueiredo Silva, da Soluções Usiminas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.