Divulgação
Divulgação

Nissan suspende contrato de trabalho de 279 funcionários no RJ

Medida acontece apenas cinco meses depois de a montadora inaugurar sua primeira fábrica própria no País

Reuters

10 de setembro de 2014 | 18h13

Cinco meses após inaugurar sua primeira fábrica própria no País, a Nissan anunciou nesta quarta-feira a suspensão temporária do contrato de trabalho de 279 funcionários de fábrica em Resende (RJ), num momento de baixa atividade do mercado automobilístico brasileiro.

"Em função da redução da demanda do mercado automotivo brasileiro registrada nos últimos meses, e como tem tem sido aplicada por outros fabricantes do setor. A Nissan decidiu adotar a suspensão temporária do contrato de trabalho para 279 funcionários", afirmou a empresa, em nota.

A montadora japonesa inaugurou sua primeira fábrica "exclusiva" no Brasil abril, com investimentos de R$ 2,6 bilhões para produção de modelos compactos. Na época, o presidente da aliança Renault-Nissan, Carlos Ghosn, afirmou que a meta era alcançar 5% do mercado brasileiro de veículos. A Nissan também produz veículos junto com a Renault em São José dos Pinhais (PR).

A unidade de Resende, com capacidade de produzir 200 mil veículos e motores por ano, tem cerca de 1.800 funcionários. A empresa não informou por quanto tempo vale a suspensão. 

Segundo a companhia, a medida teve aprovação do sindicato dos trabalhadores e visa a preservar os empregos. Segundo a Nissan, a decisão não afetará o abastecimento das concessionárias.

"A Nissan reafirma que mantém todos os seus investimentos e projetos previstos para o Brasil", complementa a nota.

Tudo o que sabemos sobre:
nissan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.