No Salão de Frankfurt, cópia de carros chinesa irrita alemães

BMW e Mercedes-Benz ameaçam processar montadoras por plágio e violação de propriedade intelectual

Cleide Silva, do Estado,

14 de setembro de 2007 | 09h00

Protestos das montadoras alemãs Mercedes-Benz e BMW não impediram a presença, no Salão Internacional do Automóvel de Frankfurt, de veículos chineses cujos fabricantes foram acusados de plágio e violação de propriedade intelectual. Dos três veículos citados pelos fabricantes alemães, dois estão expostos no evento e serão vendidos no mercado europeu. "Nós não gostamos nem um pouco", disse o presidente da BMW, Norbert Reithofer.Os modelos são os utilitários esportivos CEO, fabricado pela empresa Shuanghuan, e UFO, da Zheijang Jonway, ambos importados pela Asian Automobiles Europa. As companhias alemãs estudam entrar com ações na Justiça contra a importação. Segundo elas, o CEO é similar ao X5, da BMW, e o UFO ao RAV 4, da Toyota. A montadora japonesa não se pronunciou sobre o assunto.   O terceiro modelo é um minicarro chamado Noble - também fabricado pela Shuanghuan -, com características muito parecidas com as do Smart ForTwo, fabricado na Alemanha pela Mercedes-Benz. O Noble não está em exposição em Frankfurt.As empresas alemãs ameaçaram ir à Justiça para tentar impedir a exposição dos veículos no evento. Questionado sobre a ameaça, o responsável pela Asian Automobiles na Alemanha, Ernst Schwarz, foi rápido na resposta. "Não estamos correndo; estamos aqui", deixando claro que não teme os "donos da casa".A direção da Mercedes-Benz informou que a ação não se restringe à participação da marca no Salão, pois poderá ser levada adiante caso o importador venda os produtos na Alemanha. "Não sabemos ainda o tamanho do mercado nem quanto vamos importar, pois depende do consumidor que, se gostar, vai comprar", afirma Schwarz. Os veículos deverão custar entre 15 mil e 25 mil euros.Outra fabricante chinesa, a Brilliance, que montou seu estande ao lado da Toyota, levou ao evento modelos como o carro de tamanho médio BS2 . Este ano, ela pretende vender na Europa 370 mil veículos. Desde 2003, a empresa tem parceria com a BMW para a produção de sedãs na China. A Gelly, por sua vez, desistiu de participar do salão. Segundo fontes da empresa, o motivo seria o descontentamento com o local do estande oferecido pelos organizadores.Com agências internacionais

Tudo o que sabemos sobre:
CarroChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.