Noble paga US$ 950 mi por 2 usinas do Grupo Cerradinho

A trading asiática Noble Group informou hoje que irá comprar duas usinas do Grupo Cerradinho, tradicionais produtores de açúcar e álcool do Brasil. A trading asiática irá desembolsar US$ 950 milhões pelas duas unidades, localizadas no Estado de São Paulo. Juntas, as duas usinas processam 8 milhões de toneladas de cana-de-açúcar. A informação consta de documento enviada à Bolsa de Cingapura, onde as ações da Noble são negociadas.

EDUARDO MAGOSSI, Agencia Estado

20 de dezembro de 2010 | 14h42

Com a aquisição da Cerradinho, a Noble passa a deter uma capacidade instalada de processamento de cana-de-açúcar de 17,5 milhões de toneladas. Segundo a nota, os recursos utilizados na compra virão de capital próprio.

As duas unidades da Cerradinho, Catanduva e Potirendaba, estão localizadas a 50 quilômetros de distância uma da outra. A Usina Catanduva possui capacidade de moagem de 4,6 milhões de toneladas e Potirendaba, de 3,4 milhões de toneladas por ano. Segundo o documento, as duas usinas produzirão em conjunto 600 mil toneladas de açúcar e 300 milhões de litros de etanol, além de produzir mais de 300 mil megawatt/hora de bioeletricidade com a queima do bagaço de cana.

O Grupo Cerradinho possuía três usinas, duas localizadas em São Paulo - a Catanduva e a Potirendaba - e a Usina Porto das Águas, em Goiás. Originalmente a Cerradinho procurava por um parceiro estratégico que ficasse com até 30% do grupo ou 50% da Usina Porto das Águas, em Goiás. A Família Fernandes, proprietários do Cerradinho, ficam agora apenas com a Usina Porto das Águas, que produz etanol e energia.

Em razão do alto endividamento da Cerradinho, que chegou a R$ 1,2 bilhão, a empresa procurava por um sócio estratégico há mais de um ano. A empresa chegou a negociar exclusividade com a petroleira britânica BP, mas as partes não chegaram a um acordo e, depois que a exclusividade expirou no início do mês, a Cerradinho voltou ao mercado e a Noble apresentou a melhor proposta.

A Noble já possui no País duas usinas, a Usina Noroeste Paulista, localizada em Sebastianópolis do Sul, interior de São Paulo, com capacidade de 5 milhões de toneladas de cana, e a Usina Meridiano, que está terminando de ser construída, com capacidade de 4 milhões de toneladas. As quatro usinas são próximas, o que, segundo o documento enviado à Bolsa de Cingapura, irá oferecer economia de escala e assegurar volume para o terminal de exportação de açúcar em Santos (SP). As duas usinas da Noble tem capacidade conjunta de 9,5 milhões de toneladas de cana, com produção de 740 mil toneladas de açúcar, 300 milhões de litros de etanol e 450 mil megawatt hora de energia de cogeração.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.