Nokia muda estratégia e lança celulares com Windows

A fabricante finlandesa de celulares Nokia lançou hoje seus primeiros aparelhos baseados no software Windows Phone, da Microsoft. Os dois novos aparelhos, o Nokia Lumia 800 e o mais acessível Nokia Lumia 710, são os primeiros produtos da companhia criados sob uma nova estratégica anunciada em fevereiro, quando abandonou o seu software operacional Symbian para smartphones em troca do sistema operacional Windows Phone 7,5. O movimento foi uma tentativa de reconquistar a fatia de mercado perdida para o iPhone, da Apple, e para a nova geração de smartphones que usam o software Android, do Google.

CLARISSA MANGUEIRA, Agencia Estado

26 de outubro de 2011 | 11h37

Ao anunciar os telefones, o executivo-chefe da Nokia, Stephen Elop, disse que os novos telefones marcam o renascimento da companhia. "Oito anos atrás, nós partilhamos nossa nova estratégia e hoje nós estamos demonstrando um claro progresso dessa estratégica em ação. Nós estamos impulsionando a inovação em todo o nosso portfólio, a partir de novos smartphones até celulares ainda mais inteligentes", acrescentou Elop.

Os telefones vêm com um pacote de aplicativos designados a colocá-los um nível acima de aparelhos da Samsung, HTC Corp e outros que usam o software Windows. Os aplicativos incluem o Nokia Drive - um dispositivo de navegação pessoal -, Nokia Maps, Nokia Music e Nokia Pulse - serviço de rede social baseado localmente.

O Lumia 800 será colocado à venda na França, Alemanha, Itália, Reino Unido, Espanha e Holanda em novembro e em Hong Kong, Índia, Rússia, Cingapura e Taiwan, antes do fim deste ano, por cerca de 420 euros, excluindo impostos. As vendas do modelo nos EUA começarão no início de 2012.

O Lumia 710 começará a ser vendido na lojas no início do próximo ano por 270 euros, excluindo impostos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
NokiasmartphonesWindows

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.