Pixabay/StelaDI
Pixabay/StelaDI

Norwegian Air vê espaço em rotas para Brasil

Companhia norueguesa é a terceira maior aérea low cost da Europa

Célia Froufe, correspondente, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2018 | 23h10

LONDRES- A Norwegian Air, companhia aérea norueguesa de baixo custo que entrou na semana passada com um pedido para operar voos regulares diretos entre Brasil e Europa na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), diz que o mercado brasileiro apresenta “um grande potencial” para a companhia.

Conforme um porta-voz da empresa explicou ao Estadão/Broadcast nesta terça-feira, 31, a Norwegian acredita que as conexões entre o Reino Unido e o Brasil “estão atualmente desassistidas e dominadas pelas altas tarifas”.

A empresa confirmou a solicitação para a operação de voos que tenham o Brasil como origem e destino. A Norwegian Air, de acordo com a sua assessoria de imprensa, não anuncia solicitações de operações de voo, pois considera que esta pode ser uma desvantagem competitiva para a companhia. A política da empresa é a de anunciar novas rotas apenas quando estas são confirmadas e disponíveis para venda.

De acordo com a Anac, o processo de autorização dura, em média, 120 dias. Depois de receber a aprovação, a empresa pode registrar suas rotas com o regulador e iniciar a venda de suas passagens aéreas. No caso da Norwegian Air, no entanto, a companhia poderia adiantar suas operações para charters e fretamentos pois já tem cadastro para voos não regulares.

A companhia norueguesa é a terceira maior aérea low cost da Europa (atrás da Ryanair e da Easyjet) e tem base em Gatwick, segundo maior aeroporto de Londres. A Norwegian já opera na América do Norte, América Central, África e Ásia. Recentemente, abriu subsidiária na Argentina. Desde o início do ano, houve aumento do interesse de companhias estrangeiras pelo Brasil por causa da aprovação do acordo de céus abertos com os EUA.

Tudo o que sabemos sobre:
aviaçãoNorwegian Air

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.