Nota de risco da França está a salvo, diz Fitch

Tony Stringer, da agência de classificação de risco Fitch Ratings afirmou hoje que a qualidade do crédito da França é crucial para o mecanismo de resgate da zona do euro

Agência Estado,

20 de outubro de 2011 | 22h16

Qualquer acordo para fortalecer a zona do euro provavelmente não será o suficiente para aliviar a pressão sobre os ratings soberanos da região, embora o AAA da França esteja a salvo, afirmou hoje em entrevista à Dow Jones o alto executivo da Fitch Ratings Tony Stringer. A qualidade do crédito da França é crucial para o mecanismo de resgate da zona do euro, a Linha Europeia de Estabilidade Financeira (EFSF), que depende da França e da Alemanha para alcançar o rating AAA.

Para os membros mais fracos da moeda única o risco de mais rebaixamentos continua real, pois qualquer acordo levará tempo para ser implementado e a crise não vai ceder rapidamente, disse Stringer. "O equilíbrio dos riscos pela zona do euro continuam desfavoráveis e continuarão assim pelo menos nos próximos 12 meses".

Os Estados Unidos também não estão livres da incerteza. Stringer repetiu o alerta de agosto, quando a Fitch afirmou que o novo painel de corte de déficit vai precisar atingir suas metas se Washington deseja manter sua nota AAA. "Se o comitê for incapaz de entregar US$ 1,2 trilhão em medidas de consolidação fiscal, então haverá revisão de rating novamente. Isso poderia resultar em, pelo menos, uma mudança para perspectiva negativa", disse. Stringer também alertou que a atmosfera política em Washington está prejudicando os esforços para chegar a um acordo. "Eles ainda enfrentam grandes desafios no setor fiscal", acrescentou.

No momento, o foco continua na Europa, onde um default da Grécia é inevitável, afirmou o executivo. Segundo ele, se o acordo entre os líderes europeus frustrar expectativas, os mercados financeiros globais podem caminhar para uma nova espiral descendente.

 As informações são da Dow Jones. (Paula Moura)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.