Roosevelt Cassio|Reuters
Roosevelt Cassio|Reuters

Notícia de avanço em acordo com a Boeing faz Embraer subir 6%

Informação sobre aval do presidente Michel Temer a formato do negócio motivou disparada do papel

Agências Internacionais

12 Junho 2018 | 23h32

A notícia de que mais um passo em direção ao acordo de combinação de negócios com a americana Boeing teria sido dado, divulgada no fim do pregão desta terça-feira, 12, foi suficiente para o papel ordinário da fabricante aeronáutica brasileira Embraer ter forte alta na B3 (nova denominação da Bolsa paulista). O papel ON da companhia subiu 6,12%, cotado a R$ 24,78.

+ Fundos de pensão usam crise para investir

O papel reagiu a uma reportagem publicada pelo site da Bloomberg sobre a negociação com a Boeing. Segundo a notícia, o presidente Michel Temer teria dado aval para a mais recente proposta relativa à criação de uma joint venture, segundo fontes de mercado. A posição do governo é chave para o acordo, uma vez que ele detém uma “golden share” – tipo de ação que garante o direito de barrar uma operação de troca de controle. Essa ação especial foi mantida mesmo depois da privatização da Embraer, concretizada em 1994.

+ MPT recomenda que Embraer e Boeing preservem empregos no Brasil

A Bloomberg citou ainda que o negócio estaria “quase fechado”, faltando “10% de detalhes” para a viabilização definitiva da operação. Desde o início das discussões com a norte-americana, os papéis da Embraer têm apresentado forte lucro: em 2018, a ação ganhou mais de 24%, enquanto a valorização supera 60% em 12 meses. 

+ Após incidente, Embraer mantém prazo de entrega de aeronave à FAB

Analistas lembram que o acordo seria importante para as duas empresas, especialmente depois que a franco-alemã Airbus fechou contrato com a canadense Bombardier de olho no mercado de aviação regional, justamente o principal ponto de atração da Embraer para a Boeing. A negociação, que se estende há meses, também envolve a divisão de defesa da fabricante brasileira, considerada estratégica pelo governo porque está ligada à defesa nacional.

Mais conteúdo sobre:
EmbraerBoeing

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.