Silvana Garzaro
Silvana Garzaro

Nova série ‘Todes’ vai mergulhar no universo LGBTQ+

Produção, da HBO, contará a história de Rafa, jovem de 18 anos, pansexual e de gênero não-binário

Fernando Scheller, O Estado de S. Paulo

29 de abril de 2019 | 05h00

Prestes a começar a ser filmada, a série Todes – das produtoras Paranoid e da Coiote – vai mergulhar na realidade LGBTQ+ e colocar esse universo como protagonista de oito episódios de meia hora. “Quando cheguei para apresentar a série para a HBO no Brasil, minha referência já era o próprio canal, com conteúdos como a brasileira Alice, Girls e Looking, que têm muita relação com essa temática”, diz Vera Egito, criadora, roteirista e diretora de Todes. Entre os colaboradores de Vera na série está Daniel Ribeiro, diretor de Hoje Eu Quero Voltar Sozinho.

“Sempre me senti muito acolhida pela comunidade LGBT. Acho que, quando eu comecei a trabalhar com audiovisual, acolhi a comunidade de volta”, diz a cineasta. “As pessoas até me perguntam: mas não tem homem hétero nos seus filmes? Eu digo: tem, mas eles são coadjuvantes. Bem-vindo ao meu mundo.”

Segundo a sinopse divulgada pela HBO, a produção contará a história de Rafa, jovem de 18 anos, pansexual e de gênero não-binário, que decide largar a vida e a família no interior e se mudar para a capital paulista. Além de temáticas LGBTQ+, a série trará questões como racismo e assédio. A escolha do elenco, que está sendo feita neste momento, trará tanto atores profissionais quanto pessoas que nunca atuaram anteriormente. “Teremos atores transgênero fazendo personagens cisgênero, e vice-versa”, adianta Vera Egito.

Produtor de Todes, Gil Ribeiro, da Coiote, afirma que as plataformas de streaming, como a HBO Go, dão a produções nacionais a oportunidade de serem descobertas ao redor do mundo. “Os muros caíram, os nossos conteúdos estão sendo assistidos em outros mercados. Isso é importante tanto do ponto de vista cultural quanto comercial. É um momento muito especial para o setor.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.