Sergio Castro/Estadão - 24/10/2014
Sergio Castro/Estadão - 24/10/2014

Novo governo avaliará venda, diz Embraer

Embraer deverá receber US$ 3,8 bilhões pela venda de 80% de sua operação de jatos comerciais à Boeing

Letícia Fucuchima, O Estado de S.Paulo

31 Outubro 2018 | 04h00

O diretor presidente da Embraer, Paulo Cesar de Souza e Silva, afirmou nesta terça-feira, 30, que não tinha a clareza, alguns meses atrás, que a decisão do acordo de venda de 80% da operação de jatos comerciais da brasileira à americana Boeing seria dividida pelo presidente Michel Temer (MDB) com o próximo governo, do agora eleito Jair Bolsonaro (PSL).

“Agora, está claro que o presidente Temer quer compartilhar o nosso pedido de aprovação ao acordo com a nova administração”, disse, em teleconferência.

A afirmação respondeu à dúvida de uma analista sobre a mudança da dinâmica no lado do governo, que precisa dar aval à joint venture. De acordo com notícias da imprensa, a equipe de transição de Bolsonaro passará a participar das conversas sobre a transação.

Silva reiterou novamente a expectativa de conseguir aprovação do governo e de acionistas para a operação ainda neste ano. O processo deve ser encaminhado a órgãos antitrustes em 2019, e a empresa espera que a parceria com a Boeing se torne efetiva no segundo semestre do próximo ano, uma vez que precisará passar pelo crivo de órgãos antitruste tanto no Brasil quanto no exterior.

A Embraer fechou em julho a venda de 80% de sua divisão de aviação comercial à Boeing. O negócio cria uma nova companhia, avaliada em US$ 4,8 bilhões (R$ 19 bilhões), na qual a brasileira terá 20% de participação. Com a venda, a Embraer receberá US$ 3,8 bilhões e lhe restará apenas suas áreas de defesa e jatos executivos – que historicamente têm menor participação nos resultados da companhia.

Mais conteúdo sobre:
Jair BolsonaroEmbraer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.