Epitacio Pessoa/Estadão
Epitacio Pessoa/Estadão

Novo governo traz retomada da ‘esperança’, diz Abilio

Segundo o empresário,sócio da BRF e do Carrefour, Brasil retomou a confiança com a mudança política

DAYANNE SOUSA, O Estado de S.Paulo

10 Junho 2016 | 21h32

O empresário Abilio Diniz, presidente do conselho de administração da gigante dos alimentos BRF e membro do conselho global do Carrefour, afirmou nesta sexta-feira, 10, em São Paulo, que o Brasil vive um período de retomada da “esperança” com a mudança no cenário político e início do governo do presidente em exercício Michel Temer.

Ele evitou qualificar o governo e disse que não o classifica em “bom ou ruim”, mas considerou que a retomada da esperança no País já é um importante passo. “O País passou grandes dificuldades, mas está descobrindo o caminho”, disse. “O importante é que (o Brasil) voltou a esperança e, com ela, voltou a confiança.” Abilio deu as declarações ao participar do evento Experimenta Portugal, promovido pelo consulado do país europeu.

O empresário foi questionado a respeito de suas opiniões sobre as medidas econômicas sob o governo Temer, mas respondeu apenas que uma análise “levaria pelo menos duas horas e meia”. “O governo tem um período de interinidade e que isso traz alguma intranquilidade, mas isso vai passar e teremos uma situação definida.”

África. Abilio Diniz também fez considerações sobre os investimentos da BRF em Angola durante o evento. Ele destacou a insegurança de investir no país. Questionado durante um painel sobre países africanos de língua portuguesa, Abilio afirmou que a dona da Sadia “tem grande quantidade de pagamentos para receber” no país e que tem havido “default” (calote). Na noite de ontem, no entanto, a BRF esclareceu, em comunicado, que não existem bloqueios nos pagamentos oriundos das vendas realizadas em Angola. A nota dizia, no entanto, que existem dificuldades para se retirar recursos do país.

O empresário disse ainda que estava prestes a viajar para a Namíbia. “Estamos indo à Namíbia embora, como mercado, Angola seja muito melhor.” A atratividade da Namíbia, segundo ele, está no “relacionamento espetacular com países vizinhos” e na economia em crescimento.

O último relatório anual da BRF diz que a companhia passou 2015 reformulando sua estratégia para a África, continente onde identificou “várias oportunidades de mercado na atrativa e acessível categoria de processados, impulsionadas principalmente pelos segmentos de salsichas, mortadelas e margarinas”. A companhia tem atuado no continente por meio de exportações para distribuidores locais. / Com informações da Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.