Pilgrim's Pride - 25/12/2008
Pilgrim's Pride - 25/12/2008

Novo processo é movido na Justiça dos EUA contra JBS e irmãos Batista

Investidor diz que Batistas utilizaram controle sobre o presidente da Pilgrim´s, que é da JBS, para crimes que trouxeram danos financeiros à companhia

Ricardo Leopoldo, correspondente, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2018 | 19h30

NOVA YORK - Um investidor da Pilgrim's Pride Corporation (PPC) moveu uma ação em Colorado, nos EUA, em defesa da companhia e contra a JBS, Wesley Batista, Joesley Batista, e um grupo de executivos e ex-executivos da empresa norte-americana.

+ Batistas tentam nova defesa na CVM

O acionista Malka Raul alega prejuízos para a PPC, inclusive com perda de valor de mercado, entre fevereiro de 2014 até o presente, e relata que os acusados infringiram leis federais nos EUA com "injusto enriquecimento, abuso de controle e má gestão", que levaram a companhia a participar de esquema de cartel para determinar preços de frangos com outras empresas do setor no mercado americano. 

+ Venda de ativos da JBS fica abaixo do esperado

Além de compensação de perdas financeiras, o acionista solicita julgamento em tribunal.

De acordo com Malka Raul, os irmãos Wesley e Joesley Batista, como proprietários da JBS, controladora da Pilgrim's Pride Corporation, levaram a companhia americana a divulgar "informações enganosas" ou omitir dados relativos às suas reais condições financeiras.

Na ação, é destacado que Wesley e Joesley Batista "eram CEO e chairman da JBS estão atualmente presos devido a uma década de crimes em benefício da JBS, incluindo pagando de suborno para autoridades brasileiras, bancos, e fiscais de inspeção alimentar". 

+ JBS vende Five Rivers por US$ 200 milhões

Segundo o documento, os irmãos Batista operavam a JBS como uma "organização criminosa" e utilizaram o controle sobre o presidente da Pilgrim´s, William Lovette, para que a empresa cometesse crimes, que trouxeram danos financeiros à companhia quando o esquema de cartel foi descoberto.

O investidor ressalta que por um relevante período, a PPC "sistematicamente participou de conluio com diversos pares do seu setor para fixar preços do mercado de frango", o que violava a lei antitruste dos EUA.

O caso foi revelado em 2 de setembro de 2016, quando o distribuidor de alimentos Maplevale Farms moveu um ação coletiva na Justiça Federal dos EUA em Illinois contra a Pilgrim´s. Segundo esta ação, a PPC "conspirou desde 2008 para manipular preços de frangos em violação do Sherman Antitrust Act."

A ação movida pela Maplevale Farms também aponta que o principal método adotado pela Pilgrim´s e outras empresas acusadas de participar do conluio era de coordenar e limitar a produção de frango, a fim de elevar os preços dos seus produtos no mercado americano. O documento relata que os participantes do esquema "trocavam detalhadas e sensíveis informações que não eram públicas sobre preços, volume de vendas e demanda."

A ação movida por Malka Raul contra a JBS e os irmãos Batista inclui também Gilberto Tomasoni, André Nogueira de Souza, Denilson Molina, Tarek Farahat, William Lovette, Wallim Cruz de Vasconcellos Junior, David Bell, Michael Cooper, Charles Macaluso e Fabio Sandri.

Tudo o que sabemos sobre:
JBSWesley BatistaJoesley Batista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.